Cinco feridos ligeiros em rixa na Rocha Conde de Óbidos

Cinco homens, com idades entre os 22 e os 58 anos, foram hoje feridos durante uma rixa ocorrida na Rocha Conde de Óbidos, em Lisboa, e transportados com ferimentos ligeiros para o Hospital de São José, segundo o INEM e a PSP.

De acordo com fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), aquele serviço recebeu uma chamada para alertar para uma agressão, por volta das 7.30 e, quando a equipa chegou ao local, constatou que havia mais pessoas feridas, pelo que pediu um reforço de meios, acorrendo ao local três ambulâncias que levaram os feridos, com escoriações, hematomas e contusões, até ao hospital de São José.

Segundo o relato da PSP, tratou-se de uma rixa entre elementos do Porto de Lisboa e um condutor de um veículo e os amigos, devido ao facto de o carro estar mal estacionado e a prejudicar o acesso.

"Foi uma divergência entre um condutor que tira o carro estacionado ilegalmente junto às instalações do Porto de Lisboa e, quando chamado à atenção para esse facto, reagiu com maus modos e, juntamente com uns amigos que o acompanhavam, gerou-se uma rixa" com os funcionários do Porto de Lisboa, explicou fonte da PSP à agência Lusa.

Dos desacatos resultaram cinco feridos ligeiros, de ambas as partes, com escoriações, hematomas e contusões, tendo um deles de ter que levar "alguns pontos" na testa depois de ter sido agredido com um pau, adiantou a fonte policial.

As vítimas são todas do sexo masculino e têm idades entre os 22 e os 58 anos. A PSP tomou conta da ocorrência e está oficializar o inquérito à situação, que envolve alegadamente crimes de ofensas à integridade física e participação em rixa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.