Etarra de Óbidos condenado a 12 anos de cadeia

O coletivo de juízes do Tribunal das Caldas da Rainha condenou hoje o etarra Andoni Zengotitabengoa Fernandez a 12 anos de prisão em cúmulo jurídico.

O etarra foi condenado pelos crimes de adesão a associação terrorista (nove anos), detenção de arma proibida (explosivos) com vista à prática de terrorismo (cinco anos), três crimes de falsisifcação de documentos, um crime de furto de veículo (oito meses) e outro de coação e resitência (oito meses), este último relativo à fuga e tentativa de atropelamento de um elemento da GNR durante uma a uma operação stop.

O juiz presidente, Paulo Coelho, considerou que a detenção de explosivos era o crime mais grave "pela perigosidade inerente e pelo local escolhido pelo arguido para ter esses explosivos", uma vez que - acrescentou -, "se tivesse havido uma explosão as consequências podiam ter sido catastróficas".

Andoni Zengotitabengoa Fernandez, que habitou uma casa em Óbidos onde foram descobertos 1.500 quilos de explosivos, começou a ser julgado no Tribunal de Caldas da Rainha a 13 de setembro e estava acusado de dois crimes de furto qualificado, nove crimes de falsificação e um crime de detenção de arma proibida, todos com vista à prática de terrorismo e ainda um crime de resistência e coação sobre funcionário

Durante as alegações finais, o ministério Público pediu o agravamento da acusação para o crime de apoio e adesão a organização terrorista (punido com uma pena até 15 anos de prisão) e a condenação do arguido, em cúmulo jurídico, "a uma pena elevada".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG