Cinco desalojados após inundação de casa na Marinha Grande

Cinco pessoas ficaram hoje desalojadas na sequência do transbordo de um ribeiro em Picassinos, na Marinha Grande, informaram os bombeiros, adiantando que a situação originou, ainda, três deslocados.

"Devido ao grande caudal no ribeiro, o leito foi alargado e atingiu a habitação de rés-do-chão", informou o segundo comandante dos Bombeiros Voluntários da Marinha Grande, Mário Silva, acrescentando que para o local a corporação enviou duas viaturas com três elementos.

À agência Lusa, o vice-presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande, Paulo Vicente, informou que se trata de uma família de oito pessoas, duas das quais crianças, sendo que três dos munícipes já foram deslocados para junto de outros familiares.

"Os serviços de ação social da autarquia estão no terreno e foi solicitada a intervenção da Segurança Social no sentido de realojar temporariamente a família, bem como dar outro apoio necessário", adiantou Paulo Vicente.

O autarca referiu que, devido à forte pluviosidade, o "concelho tem registado bastantes ocorrências", realçando que uma das situações que gera preocupação prende-se com a zona industrial da Marinha Grande.

"As águas da chuva nos acessos à autoestrada 8 estão a atingir os terrenos adjacentes à zona industrial. Não há nenhuma empresa a esta hora [15:00] atingida e esperemos que tal não suceda, até porque o tempo parece agora acalmar", declarou Paulo Vicente.

O responsável acrescentou que os elementos dos serviços municipais de proteção civil estão no terreno, assim como o pessoal ligado ao abastecimento de água, saneamento, jardinagem e limpeza urbana para auxiliar na desobstrução de vias.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.