Autarca alertou ministra da Saúde

"O Ministério da Saúde tem de colocar regras que impeçam situações como as que foram detectadas pelos utentes em Benavente de médicos adormecerem exaustos no serviço depois de terem trabalhado noutro local", declara ao DN o presidente da Câmara de Benavente, António José Ganhão, que apresentou o grave problema da falta de médicos no concelho numa reunião com a ministra da Saúde.

"Tal como um motorista é obrigado a cumprir períodos de descanso entre serviços, também um médico deve respeitar horários, e não sujeitar os utentes a esta desconfiança pelo risco de um diagnóstico mal feito", defende.

Segundo o autarca, "dessa reunião resultou o compromisso da senhora ministra da Saúde mandar reforçar o número de médicos nos serviços de saúde de Porto Alto e Santo Estevão e no SAP de Benavente, mas passados seis meses, só foi reforçado o SAP de Benavente com um médico e com o resultado que se vê", afirma o presidente da câmara.

António Ganhão sublinha que o problema é geral, mas afecta principalmente os concelhos da Área Metropolitana de Lisboa, onde há 1,4 milhões de pessoas sem médico de família. "A solução passa por contratar médicos estrangeiros, mas isso não tem sido possível por razões economicistas e obstáculos burocráticos".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG