Cavaco dá posse a Costa só depois de Passos cair

Presidente da República vai seguir a "via-sacra" toda até haver um governo estável. Se, é claro, houver acordo à esquerda

Cavaco Silva - que vai chamar os partidos a Belém na próxima terça--feira - só aceitará indigitar António Costa como primeiro-ministro se Passos Coelho vir o seu programa de governo chumbado pela Assembleia da República, observou ontem um elemento da Casa Civil do Presidente da República ouvido pelo DN.

"Não acredito que o Presidente não faça isso", disse o interlocutor do DN, confrontado com a possibilidade de Cavaco Silva, após um chumbo no Parlamento do programa de governo da coligação, se recusar a indigitar o líder do segundo partido mais votado, ou seja, António Costa, mantendo o atual executivo em gestão corrente até maio/junho do próximo ano (só para essa altura poderão ser convocadas novas legislativas).

A mesma fonte sublinhou o facto de Cavaco Silva manter sempre nestas alturas um grande secretismo em torno das suas decisões. Contudo, conhecendo o seu comportamento histórico, recorda que o PR defendeu sempre a necessidade de o poder político não ativar fatores externos que podem criar situações de desequilíbrio graves nas contas públicas (por exemplo, alarmes no mercado da dívida pública).

Para o chefe do Estado, adiantou a referida fonte, apenas contará o que António Costa procura garantir à esquerda: um governo com apoio estável no Parlamento e respeito pelos compromissos internacionais de Portugal.

Primeiro, contudo, deverá seguir o que tem sido o comportamento tradicional de todos os seus antecessores depois de eleições legislativas: convidar o líder da formação mais votada - no caso, Pedro Passos Coelho - a formar governo. E deixar que seja o Parlamento a assumir a responsabilidade de o chumbar, não o desonerando desse ónus (o que aconteceria se fosse logo diretamente para a nomeação de Costa).

Um consultor do Presidente da República para os assuntos económicos, João Borges de Assunção, assumiu ontem publicamente, numa conferência universitária, não ver grande dramatismo na formação de um governo apoiado na esquerda parlamentar. "Não parece ser exatamente igual àquilo que é o primeiro governo [grego] do Syriza, seria sempre um governo mais moderado do que o Syriza, mesmo que viesse a ter o apoio de entidades parecidas com o Syriza [BE e PCP]", disse o economista, citado pela Antena 1. E "a nossa situação financeira não é tão má como a da Grécia".

Bagão Félix, conselheiro de Estado, assinalou ao DN que as diferenças nos programas eleitorais do PSD-CDS e do PS são de pormenor, com exceção da TSU e do plafonamento das pensões. Mas "à esquerda é ao contrário, pois PS, PCP e BE não se entendem no essencial - euro, NATO, Tratado Orçamental, até as nacionalizações - e concordam em coisas acessórias".

"Já houve vários governos de esquerda em Portugal, porque é que este é diferente? Porque é a única forma de António Costa passar de perdedor a vencedor" e até de essa ser "a única maneira de sobreviver no partido", argumentou.

Reconhecendo não haver qualquer dúvida de natureza constitucional ou legal caso se forme um governo de esquerda, Bagão Félix alertou no entanto para o problema de "legitimidade ético-política" inerente a ser António Costa o primeiro nome a ser indigitado para primeiro-ministro. "A tradição portuguesa manda que seja Pedro Passos Coelho" o indigitado e, neste caso, Cavaco "não tem previsão sobre o que vai acontecer" na AR - onde "não há partidos, há deputados".

Pré-rutura Costa-Passos

Outros conselheiros de Estado ouvidos pelo DN preferiram não se estender em comentários. Alfredo Bruto da Costa - próximo do PS - disse sentir-se "completamente incapaz de fazer qualquer previsão".

Já João Lobo Antunes - conselheiro pelo próprio PR - assumiu apenas ir "seguindo com enorme preocupação" os acontecimentos.

Ontem surgiram sinais de que está iminente uma rutura nas negociações entre PS e coligação. "Talvez seja altura de pôr ponto final no que o país tem vindo a assistir de forma atónita", disse Passos Coelho, acrescentando já ter tido "duas reuniões com o PS" e não tencionar "ter mais nenhuma" para "fazer de conta" que se está a "alcançar algum resultado" já que o PS não deu contributo nenhum". "Não vamos virar o resultado das eleições do avesso, não vou governar com o programa do PS."

Através de Carlos César, o PS respondeu acusando a coligação de não lhe ter fornecido informação orçamental e financeira pedida no dia 10 (o PS revelou no seu site a carta enviada à coligação). "O PSD assumirá as suas responsabilidades se romper com um diálogo que visa a constituição de um governo estável", avisou César. O novo Parlamento deverá reunir pela primeira vez no dia 22. Mas só se os resultados finais das legislativas forem publicados no Diário da República até dia 19 (inclusive).

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...