Casamento acaba ao fim de 14 anos

Período mais crítico das uniões é entre os 10 e os 14 anos de duração. Segundo o INE, a crise não fez diminuir os divórcios: em 2008 houve mais três mil do que em 2007.

O mito de que ao fim de sete anos um casamento "ou vai ou racha", chegou ao fim. Segundo os dados  do Instituto Nacional de Estatística (INE), sobre a duração do casamento, a média dos matrimónios, à data do divórcio, é de 14,3 anos.
 Os dados, relativos a 2007, mostram que o valor tem vindo a manter-se, pois em 2003 era de 14 anos e em 2006 de 14,5 anos.

De acordo com o INE, o período mais crítico é dos 10 aos 14 anos, seguido do que vai dos 15 aos 19 anos de casamento. Basta ver que nos primeiros seis meses de 2007, só 2424 dos 12 510 divórcios já registados foram de pessoas cujo casamento durava entre os 10 e os 14 anos. E 2106 de portugueses com uniões entre os 15 e os 19 anos. Apesar de o casamento ainda durar 14 anos, o número de matrimónios está a descer e o dos divórcios a aumentar, segundo o INE.

"O casal tem aquilo a que se chama o ciclo vital e toda a organização familiar vive crises cíclicas e uma delas acontece a partir dos 10 anos", explicou ao DN Catarina Mexia, terapeuta familiar.

O drama dos dez anos de casamento é também explicado por José Gameiro, da Sociedade Portuguesa de Terapia Familar: "Os casais começam a questionar as coisas aos quatro a cinco anos de relação, quando as pessoas começam a deixar de gostar ou a pôr as coisas em causa", diz o terapeuta familiar, acrescentando: " E acabam por atrasar a decisão por causa dos filhos. Daí a média dos 10 anos."
A explicação é simples, defende Catarina Mexia: "Normalmente estes divórcios acontecem quando as pessoas, no plano individual, estão num patamar em que atingiram os seus objectivos. E são momentos em que as pessoas reflectem, equacionam, fazem balanços e definem outros objectivos", concluiu a psicóloga. Também os casos dos casamentos com mais de 20 anos apresentam uma parcela significativa na escala dos divórcios: quase 1500 casos, em 2007. Registaram--se 98 casamentos com duração de um ano e com menos ocorreram 11.

Segundo os dados revelados ontem, em Portugal, em 2008, foram decretados 26 885 divórcios - mais cerca de três mil que em 2007 (ver texto em baixo). A taxa bruta de divórcio apresentou um valor 2,5 divórcios por mil habitantes, sendo que em 2007 foram registados 2,4 divórcios por mil habitantes. Ou seja, apesar da crise e de o valor que se tem de pagar para conseguir o divórcio, os portugueses não abdicaram disso.

O período dos 10 aos 14 anos, como sendo o mais crítico, não é, porém, exclusivo dos portugueses. Segundo o Gabinete Nacional de Estatísticas britânico, a maioria dos casamentos naquele país acaba mais cedo: ao fim de 11 anos.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.