Câmaras querem decidir fecho de escolas e recusam assumir transporte de doentes

Autarquias chegaram a um entendimento com o governo em sete áreas, mas falta chegar a acordo em 14. Transferência de competências na Saúde, Educação, Justiça ou Habitação sem fumo branco

As autarquias querem que a decisão sobre o encerramento de escolas passe para a alçada do poder local. Esta é uma das exigências que travou até agora um acordo para a descentralização de competências na área da Educação. A proposta do governo para este setor é uma das 14 que continua sem fumo branco nas negociações entre a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e o executivo para a transferência de novas competências para os municípios.

A contabilidade é feita num comunicado emitido pela ANMP, que lista também as exigências das autarquias que ainda não tiveram resposta positiva. No caso da Educação, área em que está prevista a transferência da propriedade das escolas para o Poder Local, a associação reclama que esta nova atribuição seja acompanhada do poder de decisão sobre o encerramento das escolas, o que atualmente cabe ao Ministério da Educação. "A titularidade dos equipamentos educativos é transferida para os municípios. Como tal, a sua desafetação a funções educativas e formativas tem que caber apenas ao município", defende a ANMP.

No mesmo documento, a associação de municípios adianta que o governo acordou "atribuir o montante de 20 mil euros" por cada estabelecimento de ensino, destinados à conservação, manutenção e reparação dos edifícios e para a aquisição de material didático, equipamentos desportivos, laboratoriais, musicais ou tecnológicos. Mas não chega. Para a ANMP falta consignar financiamento para as despesas de funcionamento das escolas ou a ação social escolar.

O financiamento insuficiente ou a falta de números concretos quanto aos montantes a transferir para cada nova competência são uma queixa recorrente da ANMP, transversal aos vários setores. Também é assim na Saúde, uma área em que os municípios traçam uma linha vermelha: "A ANMP rejeita quaisquer competências relativas ao transporte de doentes não urgentes". No primeiro parecer à proposta do governo para o setor da Saúde, os municípios já sublinhavam que este ponto não constava inicialmente da lei-quadro da descentralização (acabou por ser inscrita na versão final do documento que deu entrada na Assembleia da República). Das reticências iniciais a ANMP passa agora à recusa expressa desta nova competência.

O transporte de doentes não urgentes abrange doentes oncológicos, em diálise, transplantados e com incapacidade superior a 60%. Em 2016 realizaram-se 2,3 milhões de transportes não urgentes, abrangendo mais de 267 mil utentes, representando um custo para o Estado de 50 milhões de euros. A recusa da ANMP em assumir este encargo deverá mantê-lo no Estado central, já que o ministro que tutela este processo, Eduardo Cabrita, tem garantido que nenhuma competência será transferida sem o acordo dos municípios.

Além da Educação e Saúde, ainda não há acordo na Justiça, Habitação, Apoio Social, Proteção Civil, Cultura, Património, vias de comunicação, estruturas de atendimento ao cidadão, proteção, saúde animal e segurança alimentares, transporte regular de passageiros e avaliação de imóveis. Isto além das Finanças Locais, uma peça essencial da descentralização.

Quanto às áreas já acordadas, são sete - o policiamento de proximidade, o estacionamento público, a promoção turística, captação de investimento, jogos de fortuna e azar, a segurança contra incêndios em edifícios e o regime da organização dos serviços das autarquias. Na generalidade destes pontos, a ANMP conseguiu que as taxas ou coimas a cobrar revertam para os municípios na sua quase totalidade. Na proposta inicial do governo as percentagens a reverter para as autarquias chegavam a ficar pelos 30%.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.