Cada cirurgia deverá custar ao Estado 1 300 euros

Cada cirurgia para retirar os implantes mamários em mulheres que apresentem complicações deverá custar ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) 1.300 euros, disse hoje à Lusa o diretor geral da Saúde, Francisco George.

A Direcção-Geral de Saúde (DGS) e o Infarmed esclareceram hoje que o SNS assegura a retirada dos implantes em mulheres que registem complicações como "evidência de rotura ou de inflamação".

"As remoções são feitas em ambiente de cirurgia de ambulatório. Estimamos que os custos sejam de 1.300 euros cada, mas ainda estamos na fase dos cálculos", afirmou Francisco George.

Segundo dados da DGS, fornecidos pelo importador dos implantes franceses da marca Poly Implant Prothese (PIP), foram colocadas em Portugal três mil próteses, o que significa que cerca de 1.500 mulheres terão sido sujeitas a esta intervenção. O risco de rotura ronda os cinco por cento.

Questionado sobre se o Estado pondera processar o fabricante das próteses, Francisco George limitou-se a responder: "Agora é a fase da medicina, a fase da justiça é a seguir".

A DGS e o Infarmed recomendam, após "audição de peritos das especialidades envolvidas", que "as mulheres que fizeram implantes da marca PIP devem consultar o cirurgião ou médico assistente na unidade onde lhes foi colocado o implante".

Estes organismos acrescentam que o SNS assegura a remoção de próteses de todas as mulheres que tenham complicações resultantes da colocação de implantes mamários, por questões de proteção da saúde.

Contudo, só assegura a implantação de nova prótese de substituição nos casos em que os implantes PIP tenham sido colocados no SNS e nos casos de reconstrução mamária pós-mastectomia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG