"Cabo Verde deve-lhe muito", diz Bispo de Santiago

O bispo de Santiago, Arlindo Furtado, lamentou hoje "com muito pesar" a morte, na quarta-feira, do patriarca emérito de Lisboa, José Policarpo, considerando tratar-se de um homem a quem Cabo Verde "muito deve".

Em declarações à Rádio de Cabo Verde (RCV), Arlindo Furtado lembrou a amizade criada entre ambos e que data desde o início dos anos 70 do século XX, altura em que o conheceu em Coimbra, numa iniciativa promovida pelo Instituto Superior de Estudos Teológicos de Lisboa, de que José Policarpo era reitor.

"É com muito pesar que me chega essa notícia, porque é um homem a quem Cabo Verde deve muito. Era um homem muito reconhecido pela sua capacidade intelectual e pela sua cultura e deu um grande contributo para a formação de sacerdotes em Portugal e noutras paragens. Era um grande amigo de Cabo Verde", salientou.

Segundo Arlindo Furtado, já como bispo auxiliar de Lisboa, José Policarpo, esteve, a convite do antigo bispo de Santiago, Paulino Évora, várias vezes em Cabo Verde para pregar em retiros e fazer conferências.

"É uma pessoa amiga e, pessoalmente, a nossa relação estreitou-se quando fui nomeado bispo do Mindelo (ilha de São Vicente), e foi ele quem autorizou D. Ildo (Fortes, que sucedeu a Arlindo Furtado como bispo do Mindelo), então sacerdote do Patriarcado, a trabalhar comigo na diocese", recordou.

"Tivemos vários encontros, em casa dele, em Lisboa, no quadro das reuniões de bispos. Era um grande amigo de Cabo Verde. Aceitou vários seminaristas, a meu pedido, para formação em Lisboa, com um apoio significativo do Patriarcado de Lisboa. Foi um homem muito interessado pela Igreja em Cabo Verde e pela evolução da Igreja em Cabo Verde", realçou Arlindo Furtado.

"Um grande amigo de Cabo Verde, um grande homem da igreja, um cardeal colaborador próximo do papa, do governo da igreja universal", insistiu.

O bispo de Santiago considerou, por isso, que a morte de José Policarpo constitui uma "grande perda", pois, sendo um "homem de Deus e com uma grande dimensão espiritual" foi um "generoso servidor" da Igreja mas também da Cultura.

"Era um homem muito culto. Era o reitor magnífico da Universidade Católica portuguesa. É com muito pesar que recebo a notícia e espero que o Bom Pastor, Jesus, o Supremo Pastor, neste momento de passamento da vida desta terra, o faça uma servo bom e fiel para tomar parte na alegria do Senhor na casa do Pai", concluiu.

O patriarca emérito José da Cruz Policarpo morreu na quarta-feira em Lisboa, aos 78 anos, na sequência de um problema cardíaco, disse à agência Lusa fonte da família.

O prelado morreu na sequência de uma operação a um aneurisma na aorta, num hospital de Lisboa, onde deu entrada depois de se ter sentido mal na manhã de quarta-feira.

O cardeal José da Cruz Policarpo era atualmente patriarca emérito de Lisboa, depois de ter sido patriarca de Lisboa entre 1998 e 2013.

O assessor do patriarcado, padre Nuno Rosário Fernandes, adiantou que as exéquias vão realizar-se na exta-feira à tarde, na Sé de Lisboa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG