Bombeiros acusam câmara e Benfica de não cumprirem a lei

CML rejeita a denúncia da Associação de Bombeiros Profissionais, que acusa a autarquia de não ter pedido a fiscalização obrigatória à segurança no Marquês de Pombal. Município garante que "houve vistoria".

Os bombeiros acusam a Câmara Municipal de Lisboa e o Benfica de não cumprirem a lei por não lhes terem pedido qualquer fiscalização às condições de segurança na rotunda do Marquês de Pombal (Lisboa) para a festa da conquista do campeonato de futebol. Já a Câmara de Lisboa garante que as acusações da Associação dos Bombeiros Profissionais são falsas e que "houve vistoria no terreno e realizaram-se várias reuniões preparatórias".

Esta inspeção, obrigatória quando se organizam eventos em que se prevê a presença de um elevado número de pessoas (espetáculos ou manifestações desportivas, por exemplo), tem por objetivo analisar as condições do local para responder a uma situação de emergência e permite perceber que meios dos bombeiros, da Proteção Civil e do INEM são necessários. "Não foram feitas as vistorias que deviam ter sido efetuadas. Nada foi acautelado", afirmou ao DN Fernando Curto, presidente da Associação dos Bombeiros Profissionais.

A falta deste exame importante às condições de segurança foi confirmada ao DN por uma fonte policial, que acrescentou também não terem sido fiscalizados os vendedores de bebidas alcoólicas que estiveram no Marquês no domingo à noite. Uma tarefa que cabe à Polícia Municipal e aos fiscais da autarquia. Acusações que a câmara, em resposta ao DN, rejeita. "A Polícia Municipal interveio junto de vendedores não licenciados e procedeu à apreensão do material (traduziu-se em oito carrinhas cheias de material, entre o qual bebidas em garrafa de vidro)".

"Todos os cenários foram preparados, mediante a possibilidade matemática de o Benfica se sagrar campeão neste fim de semana", disse ao DN fonte da câmara. E acrescentou que "cumpriram-se todas as recomendações do parecer da PSP, tendo em vista operacionalizar a solução circular no Marquês de Pombal".

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG