Barcelos proíbe praxes após excesso de álcool

O Instituto Politécnico do Cávado e Ave (IPCA) proibiu a realização de qualquer ação de praxe no campus da academia, depois de na terça-feira três alunos terem sido hospitalizados, por ingestão excessiva de álcool.

Fonte do IPCA disse hoje à Lusa que as ações de praxe estão proibidas até ao final do presente ano letivo, sendo que oportunamente irá haver uma reunião para definir os moldes e as regras das praxes para o próximo ano.

Na terça feira, três alunos do IPCA foram hospitalizados por causa da ingestão excessiva de álcool, durante um "rali das tascas" realizado no campus do instituto.

A Comissão de Praxes e a Tuna da academia tinham agendado três dias, até quinta-feira, para "fazer lembrar" a receção ao caloiro.

O presidente da Associação de Estudantes, Mário Ferreira, disse à Lusa que discordou destas ações de praxes, por considerar que este não era "o timing certo", uma vez que se trata de época de aulas.

"As praxes são importantes, mas há um período adequado para elas", referiu.

Mário Ferreira garantiu que na terça-feira, além dos três alunos que tiveram de ir ao hospital, "havia muitos outros com sinais claros de consumo excessivo de álcool".

"Pelo campus, havia garrafas whisky e absinto espalhadas pelo chão, deve ter havido misturas e excessos e deu no que deu", criticou.

A Lusa contactou o responsável máximo pelas praxes no IPCA, André Simões, que admitiu que, nestes eventos, "há sempre situações paralelas que são impossíveis de controlar".

Para André Simões, "o que aconteceu é que algumas pessoas, a título individual, decidiram exagerar", uma situação "completamente à margem das orientações" da Comissão de Praxes.

Disse ainda que os alunos que foram ao hospital "já estão bem".

Fonte da direção do IPCA sublinhou que "esta foi a primeira vez" que algo do género aconteceu durante uma praxe na academia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG