Banco Alimentar já recolheu 2 187 toneladas de comida

Ao final da tarde de hoje, crianças, jovens, adultos e idosos trabalhavam arduamente para receber e armazenar os alimentos recolhidos na 44ª campanha do Banco Alimentar Contra a Fome. Leite e arroz foram os produtos mais doados entre as 2 187 toneladas recolhidas, segundo o balanço parcial divulgado às 20.00 de hoje. Um número inferior ao registado no mesmo período do ano passado, que apontava 2 914 toneladas de alimentos.

O balanço final da campanha só deverá ser divulgado amanhã, pois "o trabalho continua até às 3.00" nos 20 bancos espalhados pelo País, informou a presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares, Isabel Jonet.

No total são mais de 40 mil voluntários, que se dividem nas mais variadas tarefas: desde a pesagem das carrinhas com os alimentos que chegam dos supermercados até a separação por categorias e embalagem. Só no Banco de Lisboa estavam 2 500 voluntários.

O Armazém de Alcântara representava uma verdadeira linha de montagem de fábrica e quem por lá esteve a ajudar fez o trabalho ao som de muita música e entrevistas realizadas por uma rádio improvisada por universitários no local.

Um pequeno refeitório assegura as refeições dos que ali trabalham por mais de quatro horas. Segundo a presidente, toda a alimentação para os voluntários é doada por hotéis e empresas privadas. Também foram fornecidas as empilhadoras e seus devidos condutores profissionais para garantir a segurança no trabalho.

Hoje termina a campanha com voluntariado, mas a ação continua até o dia 8 de dezembro através da "Ajuda Vale", disponível nas caixas dos supermercados com um código de barras específico para os produtos destinados aos Bancos Alimentares. E também através da internet, o que permite a participação na campanha dos emigrantes.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG