Azeredo Lopes em Luanda:"Temos história longa demais para nos darmos ao luxo de não nos entendermos"

Em entrevista à Rádio Mais Luanda, no primeiro dia da visita oficial a Angola, o ministro da Defesa português destaca a cooperação e amizade entre Portugal e Angola

Vem a Luanda para cumprir uma visita e cinco dias. Qual é o objetivo desta visita a Angola?

A área da Defesa, claro, e nessa área, Portugal tem uma relação de cooperação técnico-militar - aliás, hoje eu preferiria dizer cooperação no domínio da Defesa - que é muito rica, muito antiga, profícua e benéfica para ambos. Para lhe dar uma ideia, desde o início da nossa relação de cooperação técnico-militar, algures em 1983, já muito mais de mil angolanos frequentaram instituições de ensino militar em Portugal. A cooperação aqui em Angola muito forte com elementos das Forças Armadas portuguesas dos três ramos - Força Aérea, Marinha e Exército - é antiga e na colaboração forte e rica de Angola com outros países no domínio da Defesa e militar, Portugal tem uma presença de que muito se orgulha. Por uma razão muito particular: é que para existir, essa cooperação técnico-militar deve ser benéfica para as duas partes e a cooperação técnico-militar com Angola é benéfica para Luanda, espero eu, e para Portugal, posso garanti-lo.

Esteve no ano passado em Moçambique para um acordo de cooperação técnico-militar. Mudou o paradigma em termos dessa cooperação com os países de expressão portuguesa? No caso concreto de Moçambique e Angola, o que mudou?

Na realidade, mudou com Cabo Verde, com S. Tomé, com Moçambique... Queremos que haja cada vez mais uma análise clara do custo e do benefício. A cooperação técnico-militar, agora que estamos no século XXI, tem de estar mais balizada, delimitada por autênticos cadernos de encargos que são os projetos - temos o acordo propriamente dito, o programa-quadro que vamos celebrar para os próximos quatro anos, e depois temos os projetos, em que as partes, depois de negociações e afinações, vão definir especificamente aquilo em que vai incidir a cooperação. Hoje, com as mudanças muito significativas do panorama securitário, com a circunstância de Portugal ter regressado de forma significativa a missões de paz e manutenção de paz, como acontece por exemplo na República Centro-Africana, temos hoje, ou readquirimos, uma experiência no teatro de operações muito significativa. E dá-se a circunstância de também ocorrer num teatro de operações africano: estivemos no Mali e voltaremos na missão das Nações Unidas para aquele território na missão da Força Aérea; neste momento estamos na República Centro-Africana com os paraquedistas e a Força Aérea, antes tínhamos estado com os comandos e isto significa um capital de conhecimento e experiência que nos parece importante valorizar.

A África central é uma zona de influência geopolítica de Angola, onde está a República Centro-Africana. Como vê o papel de Angola na resolução de conflitos nesta e noutras zonas?

Não sou eu que vejo, é toda a gente. Acho que Angola tem tido tradicionalmente dois aspetos que gostaria de destacar. Em primeiro lugar, umas Forças Armadas muito competentes, muito profissionais, entre as melhores com que conta todo o continente africano, com certeza. E esse é um aspeto qualitativo que me ficaria mal não destacar. Em segundo lugar, Angola tem mostrado uma capacidade de mediação de conflitos, de intervenção para pacificação ou moderação noutros países que é justo que eu possa destacar, como aconteceu ainda recentemente no Lesoto. Isto quer dizer que, pela sua situação muito particular, com uma costa atlântica muito grande mas também com uma posição geopolítica muito relevante no continente africano, Angola foi, é e com certeza será agente de paz e moderação num continente africano que felizmente - é certo, com alguns casos preocupantes, mas felizmente - tem dado passos de gigante no sentido da paz, da estabilidade e do crescimento económico.

Esta é uma visita oficial que faz ao nosso país, a convite do ministro da Defesa de Angola. Traz alguma mensagem do Presidente da República português para o angolano?

Pela circunstância dos meios modernos de comunicação, ontem já falaram ao telefone. Portanto, de certeza que quando querem falar-se, pegam no telefone e falam-se, como aliás fizeram e comunicaram publicamente. A mensagem que eu trago é uma mensagem que resulta da presença de um membro do governo português: é uma mensagem de grande amizade, que eu pretendo profissional; além da grande amizade - eu acho que devia dizer que amigos amigos, negócios à parte - e independentemente da grande amizade, até pessoal, que tenho por Angola e pelo seu povo há a circunstância de essa amizade dever ser cultivada de forma cada vez mais profissional. Essa é também a razão pela qual vou ter o enorme gosto de falar com o meu congénere angolano e pela qual faço questão de visitar os diferentes projetos de cooperação. Porque uma coisa é discutirmos calmamente no gabinete o que pode ser feito, outra, como tenho verificado nos diferentes países que tenho visitado, é ir ao terreno ver o que está a ser feito, ouvir ambos os lados e depois decidir o que pode ser feito, aquilo que a outra parte - neste caso, Angola - pode querer que façamos. E no fim de certeza que o acordo se consegue.

Está há três anos neste cargo, mas antes esteve na Entidade Reguladora para a Comunicação Social portuguesa. Como é que tem acompanhado a narrativa da comunicação social portuguesa e angolana sobre a cooperação entre os dois países?

Podia dizer-lhe, mas não vou fazê-lo, porque acho que não devemos confundir os planos. As funções que exerci na ERC exerci-as com muito gosto, mas não estava com certeza à espera que eu viesse aqui comentar comentários da imprensa angolana ou portuguesa sobre qualquer assunto. Eu sou daqueles que acreditam que nas sociedades atuais tudo pode ser dito e escrutinado. É isso com certeza que cada um dos países faz com a sua tradição, cultura, história e com um ponto que nos une muito que é a língua portuguesa, que é muito importante. É a falar que nos entendemos, como se diz em Portugal - e decerto em Angola há uma expressão tão boa ou melhor do que esta. A mensagem que eu trago é a seguinte: temos uma história demasiado longa para nos darmos ao luxo de não nos entendermos. E é isso que aqui vamos fazer, de maneira profissional, competente, cada uma das partes vai defender o seu ponto de vista e no fim o que vai acontecer é aquilo que na era da Defesa também é importante destacar: nós sempre trabalhámos muito bem nos últimos 40 anos. De certeza vamos continuar a aprofundar esta relação. Respeitamo-nos mutuamente como estados soberanos, como entidades independentes que se respeitam, que têm amizade, e que de vez em quando também podem discordar num ou outro aspeto.

Exclusivos