Robles responsabiliza Cristas por despejo de mil famílias

O candidato do BE à Câmara de Lisboa, Ricardo Robles, responsabilizou hoje a ex-ministra Assunção Cristas pelo despejo de mais de mil famílias em Portugal desde o início deste ano, devido à lei do arrendamento.

O BE escolheu o Largo da Severa, na Mouraria, para o arranque das duas semanas de campanha de Ricardo Robles, tendo estado a líder bloquista, Catarina Martins, presente neste comício com a habitação como tema central.

À direita já ouvimos a sua política de habitação. Temos a lei dos despejos de Assunção Cristas. Desde o início do ano foram despejadas mil famílias. São cinco famílias por dia que recebem cartas de despejo que estão assinadas pelo senhorio, mas está lá também a assinatura de Assunção Cristas

Robles condenou também a atuação do presidente e recandidato socialista, Fernando Medina, considerando que deu "o pior contributo para piorar a cidade", já que a "venda de património foi um contributo para a subida dos preços especulativos".

Referindo-se ao Programa Renda Acessível, aprovado na assembleia municipal com o voto contra do BE, manteve a crítica: "parcerias público-privadas na habitação num país escaldado por estas PPP".

Neste programa de arrendamento de 6.000 fogos a custo reduzido, o município disponibiliza terrenos e edifícios, cabendo a privados construir ou reabilitar. A proposta do BE é um "programa 100% de habitação" com "7.500 casas a rendas acessíveis", querendo também criar uma bolsa municipal de habitação e possibilitar incentivos fiscais aos privados para reabilitar casas que estão fechadas.

O arranque do comício foi um pouco diferente do habitual, tendo sido Carla Pinheiro, uma moradora ameaçada de despejo na Rua dos Lagares, no coração lisboeta, a intervir, com as restantes vizinhas do prédio em palco

"Neste episódio das nossas vidas o BE teve um papel importantíssimo, não pedindo filiações nem pedindo votos. Ricardo Robles desafiou a câmara a resolver a nossa situação e fez toda a diferença nesta nossa luta", elogiou.

Já para a candidata do CDS-PP, Assunção Cristas, sobraram críticas: "Ouvi os debates e comecei-me a rir quando ouvi Assunção Cristas a dizer que foi aos bairros. À Mouraria ela não veio e os pés no 25 da Rua dos Lagares ela não pôs".

A 01 de outubro concorrem em Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), o atual presidente, Fernando Medina (PS), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.