Cristas quer carta de marinheiro no 12º ano para formar "geração oceânica"

Líder centrista quer que os "jovens possam progredir e encontrar na área do mar uma área interessante para desenvolver as suas atividades"

A candidata do CDS a Lisboa quer juntar empresas a investigação numa 'cidade do mar', num município liderante na estratégia azul, com o desporto escolar a dar carta de marinheiro no 12º ano para formar a "geração oceânica".

A bordo de um catamaran no Tejo, Assunção Cristas explicou aos jornalistas que a coligação "Pela Nossa Lisboa" (CDS-PP/MPT/PPM) defende que os alunos da capital possam, em conjunto com o desporto escolar, praticar um desporto náutico, como canoagem, remo ou vela.

"Para que as nossas crianças não fiquem na margem, mas entrem dentro do rio, tenham contacto com a água e, como nos diz a nossa estratégia nacional do mar, queremos que os alunos quando terminem a sua escolaridade obrigatória, quando chegam ao 12º ano, tenham a hipótese de a terminar com carta de marinheiro", defendeu.

O objetivo é "criar uma geração oceânica" para que "muitos destes jovens possam progredir e encontrar na área do mar uma área interessante para desenvolver as suas atividades".

"Queremos criar aqui bons empregos para o futuro, para isso precisamos de qualificar os nossos jovens e a carta de marinheiro é um instrumento diferenciador", sustentou, sublinhando que a economia do mar "é uma economia de futuro, assente numa lógica de sustentabilidade ambiental e económica".

"Lisboa tem de ser a líder de tudo o que é inovador na área do mar, seja na área das biotecnologias, seja na área do transporte marítimo, do turismo, do desporto"

Assim, a candidata e líder do CDS quer inscrever no seu programa eleitoral a criação de uma "cidade do mar" na doca de Pedrouços, da administração do Porto de Lisboa, na zona de confluência com o concelho de Oeiras, juntando as federações dos desportos náuticos, empresas e investigação, com 'start-ups' ligadas ao mar.

"Saberei encontrar os parceiros certos, em conjunto com todos porque isto não é uma novidade minha, está na estratégia nacional do mar, trata-se de executar a estratégia nacional do mar, mas ter a Câmara Municipal de Lisboa como um ator liderante", afirmou Assunção Cristas sobre a concretização do projeto, que pretende requalificar o edifício da Doca Pesca.

Nas eleições de 1 de outubro concorrem à presidência da Câmara de Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), o atual presidente, Fernando Medina (PS), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.