Autarca recusa sair de estação dos CTT em protesto

O presidente da Junta de Freguesia de Carnide, em Lisboa, está desde as 17:45 de hoje dentro da estação de correios da freguesia, recusando-se a sair, em protesto contra a decisão dos CTT de encerrar aquele serviço.

Segundo Paulo Quaresma (CDU), estão com ele, dentro da estação, a tentar impedir o encerramento, mais 20 pessoas. A PSP confirmou à agência Lusa que tem elementos no local.

O autarca disse que este protesto acontece "depois de uma longa negociação, em que a administração dos correios assumiu o compromisso de que não iria encerrar a estação, pelo menos até ao final de 2014", e garante que todos estão ali de forma "pacífica".

Paulo Quaresma frisou que quer apenas ser recebido pela administração da empresa, que acusa de ter decidido o encerramento do espaço "nas costas" dos fregueses de Carnide.

"Estamos aqui de forma pacífica, o que nós queremos é conversar com a administração dos CTT, para que nos digam as razões por que foi alterado este processo nas nossas costas. Esta estação não tem na porta nenhuma indicação a dizer que hoje foi o último dia desta estação", afirmou, assegurando ter "tido a indicação" de que na quinta-feira o serviço já não abre.

Em declarações à Lusa, fonte dos CTT confirmou a transferência dos serviços prestados pela estação de correio de Carnide para postos que se situam a, no máximo, 1,5 quilómetros daquele que vai encerrar, mas negou que hoje tenha sido o último dia de funcionamento da estação de onde o presidente da Junta se recusa a sair.

A mesma fonte disse ainda que a administração está disponível para receber o autarca, uma vez que se reuniu, até agora, "com todos os autarcas" que o solicitaram.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.