Associação denuncia abusos praticados por padres

O presidente da Rede de Cuidadores revelou hoje que a associação recebeu várias denúncias de abusos alegadamente praticados por sacerdotes ou responsáveis de instituições católicas, lamentando a atitude da Igreja de "enterrar a cabeça na areia".

Álvaro de Carvalho divulgou um comunicado, a propósito do processo do Seminário Menor do Fundão, que levou à detenção do vice-reitor por suspeita de abuso de menores, por considerar essencial a associação dar "a sua versão dos acontecimentos em termos dos factos para evitar mais equívocos".

"Parece existir, por parte de alguns responsáveis da Igreja católica, uma informação deficiente em relação à sequência de factos que levaram à nossa tomada de posição há cerca de três semanas", disse o à Lusa.

Desde a sua fundação, há cerca de três anos, a associação de defesa de crianças vítimas de maus-tratos ajudou a prevenir e a resolver inúmeras situações de violência em famílias, instituições e pessoas vítimas, nomeadamente, de abusos sexuais infantis.

"Da experiência vivida por alguns dos elementos da Rede, sabe-se que existem no nosso país, como aliás em todos os outros, estruturas 'secretas' muito poderosas, as quais são 'peritas' no alimentar de silêncios cúmplices destes crimes, como de outros cujos contornos só são conhecidos através da comunicação social e nem sempre de forma precisa e completa", refere no comunicado.

Os casos referenciados à associação são sempre tratados com uma "atitude discreta", no sentido de contactar inicialmente os responsáveis da instituição em causa e esperar que haja uma resposta adequada.

Quando isso não acontece, a associação denuncia o caso a outras instâncias, nomeadamente judiciais.

O caso do Fundão "teve este desenvolvimento por razões que nos ultrapassam", lamentou, sublinhando que não foi a Rede que o "detetou ou denunciou".

"Se tivesse sido, as vítimas já estariam a ser objeto do indispensável apoio psicológico, proporcionado por técnicos credenciados e independentes, bem como de apoio jurídico, que lhes permitisse, bem como às suas famílias, começar a reparar os danos produzidos".

Segundo Álvaro de Carvalho, a associação recebeu "várias denúncias de abusos levados a cabo por sacerdotes e/ou responsáveis religiosos de instituições católicas ou no exercício quotidiano da sua atividade individual", às quais foi dado encaminhamento.

Todas as situações estavam prescritas do ponto de vista judicial e, por isso, não foi feita uma denúncia formal.

"Sabendo que os abusos sexuais de crianças são praticados por pedófilos, uma perversão sexual com registo compulsivo (...) dirigimo-nos sempre que necessário aos seus diretos responsáveis, com o objetivo de impedir a continuação de tais práticas criminosas", sublinhou, adiantando que "na maior parte das situações a Rede foi escutada".

"No que à Igreja Católica diz respeito, isso só aconteceu quando os abusadores, já condenados, eram ex-seminaristas, credenciados pela hierarquia, como os restantes, idóneos para exercer a profissão de professores de Religião e Moral Católica".

Para o psiquiatra, a Igreja tem tido tradicionalmente um comportamento de, perante um perigo, "enterrar a cabeça na areia, salvo "raríssimas exceções".

"Tem havido um ou outro bispo [como no caso do Fundão] que têm tido posições muito claramente distintas desta que parece continuar a ser a atitude tradicional da Igreja".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.