Associação de Diretores de Escolas congratula-se com alteração de data

O vice-presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas congratulou-se hoje com a decisão do Ministério da Educação de antecipar de 27, dia da greve geral, para 26, os exames de matemática.

"Congratulo-me e fico muito contente com esta alteração", disse à Agência Lusa Filinto Lima, observando tratar-se de uma "medida acertada" e "muito importante" para os pais e alunos.

O mesmo responsável mostrou-se convicto de que as escolas "irão corresponder sem problema algum" e de forma operacional a esta alteração de data, considerando que não será difícil conciliar aqueles exames de matemática com os exames do 12º ano que já estavam marcados para esse mesmo dia.

"É uma questão de convocar mais professores e arranjar mais salas", desdramatizou Filinto Lima, sublinhando que será fácil conjugar a realização de todos os exames previstos para dia 26.

Também o presidente da Confederação Nacional de Associações de Pais considerou hoje "aceitável" a antecipação para dia 26 das provas finais de matemática do 6.º e 9.º anos, previstas para 27, dia de greve geral.

"Nós pretendíamos uma solução que minimizasse os danos e essa é uma das soluções possíveis", declarou à Agência Lusa Jorge Ascensão, ao tomar conhecimento da medida hoje anunciada pelo Ministério da Educação e Ciência.

Entretanto, na opinião do presidente da Confederação Nacional de Associações de Pais (CONFAP), a opção tomada pelo MEC é "uma solução possível e aceitável", uma vez que assegura um intervalo de 5/6 dias relativamente ao exame seguinte, tendo a alteração de data sido anunciada com "alguma antecedência", o que também é positivo.

Tendo em atenção o prejuízo que a greve geral marcada para dia 27 poderia acarretar, o MEC antecipou as provas de matemática para dia 26, mantendo o mesmo horário para o início dos exames.

As centrais sindicais CGTP e UGT convocaram uma greve geral para 27 de junho, data para a qual estava prevista a primeira fase dos exames nacionais de Matemática para os alunos finalistas do 2º e 3º ciclos do ensino básico, ou seja, do 6º e 9º anos, respetivamente.

No comunicado, o MEC justifica a decisão tomada de antecipar a data dos exames, dizendo que é a que "mais protege os alunos, que poderiam ser prejudicados quer pela impossibilidade de chegarem a horas em função dos transportes, quer pela ausência de professores e funcionários".

O ministério sublinha ainda que "a alteração de um calendário construído de forma extremamente precisa, como é o dos exames nacionais, acarreta sempre inconvenientes".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG