Arménio Carlos anuncia semana de greves e manifs para este mês

Discurso do líder da CGTP nas comemorações do 1.º de Maio serviu para anunciar novo período de "uma luta que não pode parar"

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, anunciou hoje a realização de uma semana de luta, de 16 a 20 de maio, com greves, manifestações e concentrações, pela reposição dos direitos dos trabalhadores.

Arménio Carlos justificou a iniciativa afirmando que "só com a luta se alcança a mudança" e que a semana de manifestações pretende reivindicar o aumento de salários, o emprego com direitos, a renovação contratação coletiva e as 35 horas de trabalho semanal para os trabalhadores dos setores público e privado.

"Este é o tempo de concretizar a esperança e lutar pela mudança. Um tempo recheado de desafios e de potencialidades [...]. O cumprimento das promessas credibiliza os políticos e a política reforça a democracia", disse Arménio Carlos perante milhares de pessoas que o ouviam na alameda D. Afonso Henriques, em Lisboa, onde terminou o tradicional desfile comemorativo do Dia do Trabalhador.

O dirigente sindical considerou que "as medidas implementadas [pelo atual Governo socialista], embora limitadas, invertem o rumo de cortes sucessivos nos salários, nas pensões e nos direitos", mas defendeu que perante o novo quadro político e "nesta nova fase é preciso ir mais longe".

No entender do líder da Intersindical, "há muito caminho para fazer, um conjunto vasto de problemas para resolver e uma luta que não pode parar".

Numa mensagem dirigida ao executivo socialista de António Costa, Arménio Carlos manifestou o apoio da CGTP para "resistir às chantagens e ingerências internas e externas", mas avisou que a Central jamais será cúmplice "de políticas que perspetivem a cedência e subjugação aos ditames da 'troika' ou a hipotéticos consensos alargados defendidos pela direita".

Insistiu ainda que "é tempo de romper com o passado" e acentuou que o momento atual "implica que o diálogo e a negociação têm de produzir resultados" no curto prazo.

A propósito da celebração do 1.º de Maio, que este ano coincide com o Dia da Mãe, Arménio Carlos enalteceu as mães e mulheres trabalhadoras que, pela sua "tenacidade, firmeza e determinação" têm estado na frente da luta.

Neste dia, a CGTP reafirmou ainda a realização de uma Campanha Nacional contra a Precariedade.

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.