"Ao contrário de Costa e Seguro, o debate no PSD tem tido elevação"

O vice-presidente do PSD diz que Rui Rio tem uma "personalidade obsessiva" e Santana Lopes foi vítima de uma caricatura injusta

Como está a correr o debate para a liderança do PSD?

No plano político-partidário posso dizer três coisas muito simples. Primeiro, eu comuniquei que acompanharia Passos Coelho na sua saída e que não me envolveria na disputa eleitoral nem aceitaria vir a integrar órgãos executivos do partido nos próximos anos. Ambos os militantes que se candidatam à liderança do PSD têm estatura política, intelectual, moral e ética para liderarem o partido e o país. A partir do dia 13 de janeiro deixa de haver duas candidaturas, passará a haver apenas um presidente e um partido. Em segundo lugar, quero salientar que o debate a que tenho assistido é um debate que, comparado com aquilo que vimos entre António Costa e António José Seguro, tem sido marcado por uma enorme elevação entre as duas candidaturas. Facto que me deixa bastante satisfeito e orgulhoso enquanto militante do PSD. Em terceiro lugar, julgo que entrámos numa fase do processo político que se exigiria um debate nas televisões entre os candidatos, para que os portugueses tenham uma noção mais aprofundada do pensamento de cada um sobre o país. Até às eleições importa falar menos de questões internas e mais sobre os problemas do país. Acho que poderemos vir a beneficiar muito do debate interno do PSD se começar a tratar temas de governação e temas nacionais.

Quais seriam os grandes temas?

O debate sobre as reformas das funções sociais do Estado, sobre as matérias da reforma das áreas de soberania, o debate sobre os grandes compromissos que devem ser assegurados para o futuro quanto à reforma do próprio Estado. O Dr. António Costa disse que era indispensável um consenso em volta das futuras grandes obras públicas, porque se trata de despesa com impacto ao longo de várias legislaturas. Ora, quando se fala do aumento da despesa do Estado era importante que houvesse um grande consenso entre as forças políticas portuguesas, porque a despesa não se repercute apenas num ano, ela fica e perdura, e por norma até evolui de forma crescente. Se há áreas em que de facto é preciso haver enormes consensos é quando se acrescenta de forma estruturada despesa ao Estado. Seja em matérias salariais, seja em matérias de direitos sociais, seja em matérias de obras públicas.

Santana Lopes e Rui Rio conseguirão convencer melhor António Costa do que Passos Coelho em relação a esses consensos?

Ambos beneficiam de uma circunstância nova: é que o grande cimento agregador da coligação que suporta o governo era uma coligação negativa, anti-Pedro Passos Coelho. A sua saída da liderança do PSD começa já a evidenciar, pelos últimos acontecimentos, que esse cimento começa a revelar fragilidades.

Já percebi que não vai tomar posição sobre os candidatos, mas pode dizer-me, pelo menos, quais os prós e contras de Rio e Santana?

Pedro Santana Lopes tem contra ele a circunstância de todo um conjunto de episódios, que lhe são imputados de forma injusta e que não corresponderam à verdade dos factos, relativamente à sua passagem pelo governo como primeiro-ministro, que naturalmente o prejudicam. Hoje os portugueses percebem que o homem que se candidata à liderança do PSD é alguém que nada tem que ver com aquele retrato caricaturado que tentaram traçar dele. Essa é uma fragilidade, mas também que se transforma num fator de força porque se sabe que a verdade é que este homem, que foi provedor da Santa Casa, desempenhou sempre com grande sentido de responsabilidade as suas missões públicas. Do lado de Rui Rio, o que lhe é apontado como maior fragilidade é a sua personalidade obsessiva em algumas matérias, mas é uma característica que pode vir a revelar-se essencial para um país que precisa de rumo e de um primeiro-ministro determinado. Para um chefe de governo que anda aos ziguezagues já estamos servidos. Foi sempre um homem de Estado irrepreensível, que tem uma devoção à causa pública.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.