Ameaça terrorista exige "grande articulação entre forças de segurança"

Ministra da Justiça garante que "há grande concertação" ao nível dos serviços e forças de segurança

A ministra da Justiça considerou hoje que "a ameaça terrorista na Europa é omnipresente" e que é preciso assegurar "uma grande articulação entre as forças de segurança", trabalho que, disse, está a "ser feito, consistente e coerentemente".

Francisca Van Dunem falava aos jornalistas que a questionaram sobre o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) que, de acordo com o Diário de Notícias e Expresso, indicam um agravamento de alguns factores de risco de ameaça terrorista em Portugal.

Embora recusasse comentar as conclusões do RASI 2016, porque o documento ainda não foi entregue no parlamento, a ministra desdramatizou a situação, dizendo: "Não há nenhuma razão para ficarmos preocupados com a ideia de que há hoje uma ameaça superior. Basicamente, há uma grande concertação ao nível dos serviços e das forças segurança. E obviamente que não se pode excluir que existem riscos".

Francisca Van Dunem sublinhou ainda que quanto a hipotéticas ameaças terroristas "há uma monitorização permanente que é feita no quadro do sistema de segurança interna".

A ministra reconheceu contudo que o terrorismo trouxe uma era de quase "guerra de guerrilha", em que as "as coisas acontecem, inesperadamente", em qualquer lugar.

"Em qualquer lugar pode acontecer, inesperadamente, um atentado. Se é verdade que é assim, que há estruturas terroristas que se preparam e organizam no sentido de utilizar o fator surpresa, os Estados têm, por seu lado -- têm obrigação de ter --, todo um arsenal que lhes permite, no mínimo, tentar contrariar essa surpresa e eliminar os riscos", observou Francisca Van Dunem.

A ministra assinalou que em vários países europeus aconteceram atentados terroristas e que esses atentados são noticiados, mas que, em contraponto, "não são noticiados aqueles que são abortados devido ao trabalho das forças de segurança, que têm evitado que a situação tivesse tido uma escalada incontrolável".

Francisca Van Dunem esteve em Setúbal para a assinatura do protocolo para cedência de terreno para alargamento do Palácio da Justiça local, tendo estado acompanhada da secretária de Estado Adjunta e da Justiça, Helena Mesquita Ribeiro.

Exclusivos