"Álvaro Cunhal apoiaria a atual solução política"

Albano Nunes, em entrevista ao DN, diz que o acordo com o PS é positivo para o povo.

Acabou de vir de Cuba, onde assistiu às cerimónias fúnebres do antigo presidente. Fidel de Castro continua a inspirar o PCP?
O que vi no grande comício, com mais de um milhão de pessoas, na Praça da Revolução, foi uma grande emoção e tristeza, mas também muita combatividade e confiança que se respirava entre o povo cubano. A inspiração de Fidel de Castro é universal, tem que ver com todo o mundo e, principalmente com os latino-americanos que lutam contra a hegemonia do imperialismo norte-americano. Cuba é uma fonte de inspiração e de ensinamentos. A quem diz que Fidel foi um ditador, respondo: ele vai passar à História como um grande libertador, um homem que lutou pela liberdade e independência do seu país, que construiu uma sociedade infinitamente mais livre que qualquer outra sociedade sul-americana.
Vai deixar o Comité Central, onde está desde 1974, neste Congresso. Acreditava que podia deixá-lo precisamente na altura em que há uma maioria de esquerda e o PCP viabiliza um governo PS?
Preparamos o nosso partido para estar pronto para todas as situações que se apresentem no desenvolvimento da sua luta. O meu partido luta há muitos anos por uma unidade de esquerda. Na altura do 25 de abril havia uma maioria aritmética entre o PCP e o PS. Houve um momento ou outro que estivemos quase à beira de um acordo, mas o PS fazia sempre opções pelo capital. Quanto aos protagonistas, não quero fazer esse tipo de juízos.
Álvaro Cunhal apoiaria a atual solução política?
Não vejo como poderia estar em desacordo. Naturalmente que o faria. Esta solução representa algo de positivo para os trabalhadores e para povo. Desejamos mantê-la, aprofundá-la e que vá o mais longe possível.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.