Alunos devem ter 3 horas de educação física por semana

Os alunos têm de ter pelo menos três aulas semanais de Educação Física para que haja benefícios da prática desportiva, defenderam centenas de professores, contestando a decisão governamental de reduzir a carga horária desta disciplina.

Durante o fim de semana, mais de 500 professores estiveram reunidos em Lisboa no 9º Congresso Nacional de Educação Física (CNEF) para discutir algumas das decisões ministeriais que os preocupam, como a reforma curricular que veio permitir às escolas definir o número de horas de educação física, dentro de limites mínimos e máximos fixados pela tutela.

Este ano, a disciplina já viu reduzida a carga horária semanal em algumas escolas, segundo um estudo realizado pela Sociedade Portuguesa de Educação Física (SPEF) e pelo Conselho Nacional das Associações de Professores e Profissionais de Educação Física (CNAPEF) que foi apresentado durante o encontro.

Os docentes defendem, no entanto, que os alunos precisam de ter "um mínimo de 3 aulas semanais distribuídas na semana, em dias não consecutivos, respeitando o seu tempo útil".

O CNAPEF lamentou a redução da carga horária destas aulas e a "discriminação negativa da avaliação dos alunos na disciplina, única a não ser considerada para a média final dos cursos do ensino secundário e de acesso ao ensino superior".

Para os professores, a importância educativa e a nível de saúde da prática de Educação Física é óbvia e, por isso, a decisão ministerial só pode ter sido baseada num "preconceito": "Recusamo-nos a acreditar que seja por pura ignorância, ou que esta seja tão gritantemente cega. Portanto, só pode ser mesmo por preconceito", criticou o presidente do CNAPEF, João Lourenço.

O estudo realizado pelas duas organizações mostra que os ciclos que maior redução tiveram foram o 3.º Ciclo (9,8 por cento) e o secundário (11,8 por cento). Comparativamente com o ano letivo anterior, "42 das escolas do 2.º Ciclo aumentaram os minutos semanais dedicados à Educação Física. No 3.º Ciclo esse aumento deu-se em 11 escolas e no Ensino Secundário em apenas uma", lê-se no documento.

A maioria das escolas optou por manter a carga horária: 88,5 por cento no 2.º Ciclo, 88 por cento no 3.º Ciclo e 87,5 por cento no Ensino Secundário.

A Escola Secundária de Felgueiras foi a única, num universo de 600 escolas analisadas, que aumentou a carga horária de Educação Física por privilegiar a saúde.

As duas organizações anunciaram ainda a intenção de criar um Observatório de Educação Física, estando já a preparar-se para falar com diretores, pais e alunos sobre a temática.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG