Alfama foi a vencedora das Marchas Populares

O bairro Alfama foi o vencedor da edição deste ano das Marchas Populares de Lisboa, anunciou hoje a EGEAC, empresa municipal responsável pelos equipamentos e pela animação culturais.

Depois de conquistar o primeiro lugar durante dois anos consecutivos o bairro do Alto do Pina ficou na segunda posição com 230 pontos, menos 24 pontos que o vencedor e mais dois pontos que o bairro da Bica, que conquistou a terceira posição.

Por categorias, Alfama foi o bairro melhor classificado na coreografia, cenografia, figurino e desfile da Avenida, São Vicente conquistou o título de melhor letra com "Ai,Ai S. Vicente" e Marvila o de melhor musicalidade.

Os temas da edição deste ano das Marchas Populares de Lisboa, a 81.ª, foram os 500 Anos do Encontro Cultural Portugal/China, o quinto centenário da construção do Bairro Alto e o 125.º aniversário do nascimento de Fernando Pessoa.

Em competição entre a noite de quarta-feira e a madrugada de hoje estiveram as marchas de Marvila, Alto do Pina, Penha de França, Bairro Alto, Ajuda, Lumiar, Alfama, Benfica, Alcântara, São Vicente, Olivais, Belém, Beato, Mouraria, Bica, Madragoa, Graça, Castelo, Carnide e Santa Engrácia.

Pela Avenida da Liberdade passaram também, como habitualmente, as marchas dos Mercados e A Voz do Operário e, enquanto convidados, uma associação de Macau que mostrou a dança do leão, um grupo japonês que recriou a dança do cavalo selvagem, a Confraria dos Pãezinhos de Santo António e a marcha "Pequenas Pessoas", organizada pela Casa Fernando Pessoa e pela Escola Básica do 1.º Ciclo Engenheiro Ressano Garcia.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.