Alegre fica, PCP regressa, BE estreia-se, Portas de fora

Os líderes de PSD e CDS ficarão de fora. PS reconduzirá Alegre, BE inclina-se para Louçã e PCP para Jerónimo

O cenário vai-se clarificando à medida que se aproxima o dia da eleição parlamentar de cinco personalidades para o Conselho de Estado (CE), eleição marcada para a próxima sexta-feira, dia 18.

Sendo já certa a apresentação de pelo menos duas listas - uma da coligação PSD-CDS e outra da esquerda parlamentar -, tudo se perspetiva, portanto, para que haja dois eleitos à direita e três à esquerda (o método de apuramento de eleitos é o de Hondt).

A lista da esquerda deverá ser encabeçada por Manuel Alegre, o histórico socialista já no Conselho de Estado (nos últimos quatro anos) e que o PS reconduzirá.

Catarina não quer

Os outros dois eleitos deverão distribuir-se entre um indicado pelo Bloco de Esquerda e outro pelo PCP. Para o Bloco será uma estreia, para o PCP um regresso (só com Cavaco Silva como Presidente da República é que os comunistas deixaram de ter assento no Conselho de Estado).

O nome que o Bloco de Esquerda indicará será oficialmente discutido na terça-feira na Comissão Política do partido. Sabe-se que a porta-voz do BE, Catarina Martins, não quer ser escolhida.

Tudo aponta para que a escolha se faça entre "senadores" do partido. Por exemplo entre os três fundadores vivos: Francisco Louçã, Fernando Rosas ou Luís Fazenda. Dos três, só Francisco Louçã foi líder do partido - sendo assim o escolhido.

No PCP sempre foi o líder

No PCP, o nome não foi ainda revelado. Nem sequer está oficialmente confirmado que o partido quer voltar a fazer parte daquele órgão de aconselhamento do Presidente da República - embora informalmente se saiba que quer.

Prevê-se que a escolha da personalidade seja absolutamente institucional, como sempre foi: Jerónimo de Sousa, secretário-geral dos comunistas. Quando tiveram assento no Conselho de Estado, os comunistas sempre se fizeram representar pelo seu líder (primeiro Álvaro Cunhal e depois Carlos Carvalhas).

E à direita?

Na lista que o PSD e o CDS apresentarão a grande incógnita reside no segundo eleito. O primeiro será novamente Pinto Balsemão, patrão do grupo Impresa e militante n.º 1 do PSD. Passos Coelho não quer ir - só se conseguir um dia voltar a ser primeiro-ministro.

O segundo eleito pela lista da coligação será indicado pelo CDS. Mas Paulo Portas já decidiu que não será ele - segundo revelou ontem Luís Marques Mendes na SIC.

É possível especular sobre três hipóteses alternativas a Paulo Portas: Adriano Moreira, António Lobo Xavier ou Bagão Félix (que no entanto já está no CE, designado na quota pessoal das cinco personalidades escolhidas pelo Presidente da República).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG