Alegre com desvio de cerca de 600 mil euros nas contas

A candidatura de Manuel Alegre à Presidência da República, apoiada pelo PS e pelo Bloco de Esquerda (BE), declarou um "desvio" de quase 600 mil euros face às receitas previstas no orçamento inicial de campanha.

De acordo com as contas da campanha eleitoral relativas à eleição para Presidente da República de 23 de Janeiro de 2011, divulgadas pela Entidade das Contas e Financiamentos Políticos, a candidatura de Manuel Alegre tinha previsto receitas de 1,9 milhões de euros, mas ficou-se por apenas cerca de 1,3 milhões de euros. A diferença reside sobretudo na estimativa em excesso da subvenção estatal (836 mil realmente arrecadados, contra 1,35 milhões previstos) e das transferências dos partidos que apoiavam a candidatura - entraram apenas 310 mil euros contra os 500 mil estimados.

Aníbal Cavaco Silva, pelo contrário, declarou gastos de campanha inferiores aos que tinha inicialmente orçamentado: 1,79 milhões de euros, menos cerca de 328 mil euros do que os 2,12 milhões inicialmente estimados. O candidato Fernando Nobre, por seu turno, gastou com a campanha presidencial a totalidade das receitas que arrecadou - cerca de 842 mil euros -, a maior parte das quais serviram para pagar a "concepção da campanha, agências de comunicação e estudos de mercado" e "custos administrativos e operacionais".

Valor idêntico foi declarado como gasto e angariado por Francisco Lopes, candidato apoiado por PCP e Os Verdes, que inscreveu nas suas contas de campanha 800 mil euros de receitas, que foram integralmente gastas durante a corrida eleitoral em áreas como "Publicidade, comunicação impressa e digital", "Estruturas, cartazes e telas" ou "Comícios, espectáculos e caravanas". Defensor Moura apresentou também como gastos com a campanha presidencial os mesmos 250 mil euros que declarou como receitas, de acordo com as contas divulgadas pela Entidade das Contas. Mais sóbrio nos gastos de campanha, o candidato José Manuel Coelho - apoiado pelo PND - despendeu com a corrida a Belém 90 mil euros.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG