Agricultores em protesto pedem demissão do Governo

Os cerca de três mil agricultores que hoje desfilaram do Príncipe Real até à Assembleia da República, em Lisboa, em protesto pela falta de apoios na agricultura querem a demissão do Governo por estar a "destruir" o setor.

Vindos de todo o país, milhares de agricultores concentraram-se às 15:00 no Príncipe Real para desfilarem até à Assembleia da República, onde chegaram por volta das 16:00.

Pelo caminho, foram entoando cânticos e palavras de ordem contra o Governo e envergando bandeiras, cartazes e faixas com insultos à ministra da Agricultura, Assunção Cristas, ao ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, e ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

"Passos Coelho vem à janela, vem ver o povo que está na miséria", "Ó Portas, andas fugido, vai mas é enfiar o barrete a outro", "Coelho e Cristas arruínam a agricultura" e "Governo para a rua, a luta continua", foram as mensagens que se destacaram.

Já habituados ao sol e calor, os agricultores trouxeram enxadas, ancinhos e chocalhos para o desfile, encabeçado por uma pipa de vinho que ia matando a sede de alguns protestantes.

Vindo da região do Douro, com uma cesta à cabeça, Luís Almeida, mostrava-se "revoltado com a austeridade" praticada pelo Governo contra os agricultores.

"Se vivessem como nós agricultores, comiam era couves, favas e ervilhas que é o que cultivamos. É o que dá e não dá para mais nada", disse à Lusa.

Também Ana Rosa acusou o Governo de "estar a dar cabo dos pequenos agricultores e com tudo".

Os dois agricultores, bem como todos os outros, contestaram a obrigatoriedade de todos os trabalhadores do setor terem de declarar início da atividade nas Finanças.

"Ela [a ministra Assunção Cristas] obriga-me a coletar-me. Eu vendo uma alface, um quilo de batatas ou uma cebola a 20 cêntimos e quero saber o preço da fatura que vou pagar", contestou Luís Almeida.

Outra agricultora assegurou ainda que, na sua aldeia, "ninguém se quer coletar" e não consente o pagamento de faturas por uma alface.

João Dinis, da direção nacional da Confederação Nacional de Agricultura (CNA), reforçou a contestação à medida.

"Já estamos sobrecarregados de impostos e agora ainda querem obrigar todo o pequeno agricultor que pense em vender um ramo de salsa, meia dúzia de ovos e um molho de brócolos, que se vá coletar às finanças. Para quê? Para ser fichado nas Finanças?", questionou.

O responsável alertou ainda para a "dívida de 12 milhões de euros" do Governo aos produtores pecuários. "Este Governo, que se diz amigo dos agricultores não paga o que deve", acusou. Por todas as políticas de "desastre nacional" na agricultura, os trabalhadores do setor exigem que o Governo se demita.

"Precisamos de outro Governo, sem nenhuma hesitação. Este Governo está a levar-nos ao desastre", concluiu João Dinis, apelando ainda ao Presidente da República para que "não seja cúmplice desta situação".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG