Afonso Dias acredita que Rui Pedro está vivo

Afonso Dias disse hoje numa entrevista à RTP1 que, até prova em contrário, continua a acreditar que Rui Pedro, desaparecido há 14 anos, está vivo. Acompanhado pelo advogado, o motorista emocionou-se ao dizer que era muito amigo da família, que tinha Rui Pedro como um irmão.

"Até prova em contrário estou convicto que ele está vivo. Vi o Rui Pedro nas revistas e acredito que fosse ele. Viram-no em tantos lados... Acredito que ele está vivo até que me digam que está morto ou encontrei o corpo", afirmou Afonso, absolvido na quarta-feira do crime de rapto de Rui Pedro.

"O Rui Pedro era o meu irmãozinho. Estava na casa da minha namorada quando recebi um telefonema da minha irmã a dizer que estava lá em casa o pai do Rui Pedro a perguntar por ele. Vim de carro com a minha namorada até Lousada e falei com ele. Disse-me que estive com ele no campo do Lousada às duas menos cinco", contou Afonso Dias, acrescentado que depois de levar a namorada de volta a casa regressou ao campo do Lousada onde a família procurava o jovem.

Na entrevista, Afonso voltou a afirmar que nada teve a ver com o desaparecimento de Rui Pedro e que a última vez que esteve com ele foi ao início da tarde daquele dia. Negou ainda que tenha levado o jovem, na altura com 11 anos, às prostitutas e acusou Alcina Dias de estar a mentir, quando disse que o tinha visto a ele e a Rui Pedro.

Sobre se ter remetido ao silêncio durante todo o julgamento, Afonso justificou a decisão com o facto de ter respondido sempre a todas as questões colocadas pela polícia e dai ter saído a sua acusação. Quanto ao pedido feito pelo seu advogado à família de Rui Pedro para um encontro privado, o motorista afirmou que a sua intenção era "dizer-lhes diretamente o que disse à polícia e está nos autos".

Afonso afirmou ainda que não teme pela sua segurança ou pela da sua família e lamenta o sofrimento que viveram até agora. "O meu filho, de quem tenho muito orgulho, sofreu até ontem. Quando cheguei a casa disse-lhe "João, está provado que o pai nunca teve nada a ver com isto". Ele respondeu-me que ia a Santa Rita a pé. As pessoas ainda não viram, e é isso que mais me dói, que tenho uma família", relatou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG