Acusado do rapto de Rui Pedro recusou prestar declarações

O homem acusado do rapto de Rui Pedro, criança de Lousada que desapareceu no dia 4 de Março de 1998, recusou-se hoje, na primeira sessão de julgamento, a prestar declarações ao tribunal.

Afonso Dias, de 35 anos, pronunciado por um crime de rapto qualificado, disse que, "para já, não pretendia falar" perante o colectivo.

Antes, Ricardo Sá Fernandes, o advogado da família de Rui Pedro, reafirmou que os assistentes apenas pretendem saber o que aconteceu ao seu filho "naquele dia fatídico".

"O que os pais mais anseiam é que possam encontrar o seu filho ainda vivo e saber o que aconteceu naquele dia, mesmo no cenário do eventual falecimento", disse Ricardo Sá Fernandes.

Segundo o advogado, era importante para os pais "saber isso" para "poderem fazer o luto".

O advogado reafirmou que as provas que, segundo o Ministério Público, incriminam Afonso Dias são "sólidas, consistentes e congruentes", nomeadamente que foi o arguido que aliciou e levou Rui Pedro, então com 11 anos, para um encontro com uma prostituta, após o qual nunca mais foi visto.

Ricardo Sá Fernandes também censurou a falta de "colaboração, para apurar os factos" de Afonso Dias neste processo, insistindo que os assistentes ainda têm esperança que, do julgamento e do eventual depoimento do arguido, "possa sair luz" do que aconteceu a Rui Pedro.

O jurista concluiu que se forem provados em audiência os factos que constam da acusação, o arguido, "pela gravidade do seu comportamento, deve ser severamente condenado".

"Deve ser punido, porque o que o senhor fez foi muito grave", disse, voltando-se para Afonso Dias.

A defesa, através do advogado Paulo Gomes, reafirmou que as provas que constam da acusação não são suficientes e delas resultam muitas dúvidas.

O jurista admitiu o sofrimento dos pais da criança desaparecida, mas aludiu também ao que está sentir "um homem que pode não ter nada" a ver com o desaparecimento de Rui Pedro.

Paulo Gomes reafirmou ao tribunal a convicção de que o seu constituinte está inocente, insistindo que se vai bater em audiência para que "seja apurada a verdade dos factos".

O início da sessão ficou marcado pela análise de vários requerimentos apresentados pela defesa, nomeadamente um que solicitava que fosse autorizada pelo tribunal a ausência do arguido durante o julgamento. A defesa alegava que, profissionalmente, era muito complicado para Afonso Dias, motorista, ausentar-se do seu trabalho durante várias semanas.

O tribunal não atendeu ao pedido, porque o mesmo não se enquadrava em algumas das situações que a lei prevê para justificar a ausência de arguidos em audiência.

O tribunal também recusou o pedido da defesa quanto à possibilidade de ser inquirida a magistrada do Ministério Público que participou no processo no período subsequente ao desaparecimento de Rui Pedro.

O colectivo considerou não ser permitida a inquirição, como testemunha, em julgamento, de um magistrado que teve intervenção no processo, ainda que na sua fase inicial.

A audiência vai recomeçar à tarde para a inquirição das dezenas de testemunhas arroladas pela acusação.

O início do julgamento ficou também marcado pela presença de muitos populares que encheram a sala de audiência do tribunal de Lousada.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG