Cancro do pulmão mais frequente nos homens

O arquipélago registou mais de oito mil novos casos de cancro entre 1997 e 2006. Homens com mais cancro no pulmão e nas mulheres o mais frequente é o cancro da mama

Os Açores registaram 8 465 novos casos de cancro entre 1997 e 2006, exceptuando os da pele, que provocaram 2 263 mortos, revelam os dados do registo oncológico regional hoje divulgados. O Registo Oncológico Regional dos Açores (RORA), coordenado cientificamente por Vítor Rodrigues, indica que os casos registados são maioritariamente de cancro do pulmão, nos homens, e de cancro da mama, nas mulheres.

As estatísticas referem que, nos homens, seguem-se os casos de cancro da próstata, colo-rectal, estômago e bexiga, enquanto nas mulheres, depois do cancro da mama, os mais frequentes são os do colo-rectal, corpo do útero, estômago e colo do útero. No caso do cancro da pele, que não está incluído nos 8 465 casos detetados entre 1997 e 2006, a sua incidência é baixa nos Açores, tendo sido descobertos naquele período de tempo apenas mil casos de melanomas.

Na intervenção que proferiu na apresentação dos dados do RORA, o secretário regional da Saúde, Miguel Correia, salientou que "o governo entende que as verbas gastas na luta contra o cancro não poderiam ser mais bem empregues e, por isso, continua a investir na prevenção primária, secundária e terciária". Miguel Correia prometeu um reforço da prevenção primária, quer na vacinação contra o cancro do cólo do útero, quer no rastreio do cancro da mama, que já abrangeu 20 mil mulheres. O rastreio do cancro colo-retal inicia-se no próximo ano para a população entre os 50 e os 70 anos, estimando Miguel Correia que possa atingir 50 mil pessoas. Foi ainda revelado que, até este mês, foram registados nos Açores 15 432 casos de cancro, dos quais 56% em homens e 44% em mulheres.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.