Cancro do pulmão mais frequente nos homens

O arquipélago registou mais de oito mil novos casos de cancro entre 1997 e 2006. Homens com mais cancro no pulmão e nas mulheres o mais frequente é o cancro da mama

Os Açores registaram 8 465 novos casos de cancro entre 1997 e 2006, exceptuando os da pele, que provocaram 2 263 mortos, revelam os dados do registo oncológico regional hoje divulgados. O Registo Oncológico Regional dos Açores (RORA), coordenado cientificamente por Vítor Rodrigues, indica que os casos registados são maioritariamente de cancro do pulmão, nos homens, e de cancro da mama, nas mulheres.

As estatísticas referem que, nos homens, seguem-se os casos de cancro da próstata, colo-rectal, estômago e bexiga, enquanto nas mulheres, depois do cancro da mama, os mais frequentes são os do colo-rectal, corpo do útero, estômago e colo do útero. No caso do cancro da pele, que não está incluído nos 8 465 casos detetados entre 1997 e 2006, a sua incidência é baixa nos Açores, tendo sido descobertos naquele período de tempo apenas mil casos de melanomas.

Na intervenção que proferiu na apresentação dos dados do RORA, o secretário regional da Saúde, Miguel Correia, salientou que "o governo entende que as verbas gastas na luta contra o cancro não poderiam ser mais bem empregues e, por isso, continua a investir na prevenção primária, secundária e terciária". Miguel Correia prometeu um reforço da prevenção primária, quer na vacinação contra o cancro do cólo do útero, quer no rastreio do cancro da mama, que já abrangeu 20 mil mulheres. O rastreio do cancro colo-retal inicia-se no próximo ano para a população entre os 50 e os 70 anos, estimando Miguel Correia que possa atingir 50 mil pessoas. Foi ainda revelado que, até este mês, foram registados nos Açores 15 432 casos de cancro, dos quais 56% em homens e 44% em mulheres.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."