50 bombeiros procuram desaparecidos em São Miguel

Mais de 50 bombeiros e 16 viaturas de quatro corporações estão no Faial da Terra, na ilha de S. Miguel, onde hoje morreu uma pessoa e outras duas estão desaparecidas por causa de um deslizamento de terras.

Uma nota do Governo dos Açores, que cita informações do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA), lamenta a "perda de vidas humanas" neste deslizamento de terras no lugar de Burguete, freguesia do Faial da terra, concelho da Povoação, que "atingiu três casas".

"No terreno estão mais de 50 bombeiros e 16 viaturas das corporações da Povoação, Ribeira Grande, Vila Franca do Campo e Ponta Delgada, para além do Serviço Municipal de Proteção Civil e do Inspetor Coordenador do SRPCBA", revela a mesma nota.

Encontram-se também no local "homens e máquinas da Secretaria Regional do Turismo e Transporte".

O comunicado confirma que além da "morte de um homem", as equipas dos bombeiros não conseguiram "chegar ainda a uma das residências atingidas, onde se presume estarem duas pessoas".

No local, constatou a Lusa, estas equipas estão a remover entulho e a cortar troncos de árvores que caíram em cima das casas, sendo que aquela em que viviam os dois desaparecidos está totalmente soterrada.

O presidente da Câmara da Povoação, Carlos Ávila, que está também no local, disse à Lusa que uma família de quatro pessoas que vivia numa das casas conseguiu sair pelos seus próprios meios, pela janela.

Noutro caso, os bombeiros retiraram uma família de cinco pessoas da habitação, mas uma delas, o pai, já estava morto. A mãe e as filhas de 5, 8 e 16 anos foram resgatadas com vida e sem ferimentos, acrescentou.

Na terceira casa, totalmente soterrada, viviam dois irmãos com cerca de 30 anos que estão desaparecidos.

Carlos Ávila acrescentou que a causa do deslizamento foi a "enorme quantidade de chuva" que caiu na quarta-feira durante todo o dia na ilha de S. Miguel e que se acentuou a partir das 17:00.

Por outro lado, disse, "a zona é propícia a isso", por ser "muito montanhosa" e a infiltração da chuva originar estes "movimentos de vertente".

Segundo o autarca, as três casas afetadas são "construções muito antigas", com cerca de cem anos, que estão "na base da vertente".

As ilhas dos Açores do grupo oriental (S. Miguel e Santa Maria) e do grupo central (Terceira, Faial, Graciosa, Pico e S. Jorge) estão sob aviso vermelho por causa da chuva até à meia-noite de hoje.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG