A caixa do candeeiro de Conceição vai transformar-se num livro

Portugueses estão a separar mais o lixo, mas o que acontece aos resíduos que separamos em casa até voltarem a ser usado?

Conceição comprou um candeeiro na semana passada, mas guardou a caixa de cartão onde este vinha e usou-a durante a semana "como recipiente para guardar todo o cartão e papel que ia mandar para a reciclagem". Acabou tudo no ecoponto azul na sexta-feira. O que permitirá que dentro de alguns meses essa caixa volte a ser usada e possa até ser um livro ou um envelope. É a viagem que separa uma embalagem usada da sua nova vida que vamos tentar mostrar passo a passo.

À semelhança do cartão, no caixote do lixo de Conceição também o plástico, as embalagens e o vidro - "embora seja sempre quase só a garrafa do azeite" - são separados para reciclar. "Cá em casa não há desperdício, tentamos usar as coisas o mais possível, comprar só as embalagens que precisamos e enviamos tudo para a reciclagem. Mas o primeiro passo é reduzir o lixo que produzimos", aponta esta mãe de duas filhas, que vive em Oeiras.

No caso do papel o processo até é simples: basta que não esteja sujo e pode ser encaminhado para a reciclagem. Não sem antes passar no centro de triagem, como o da Valorsul no Lumiar, mas aqui apenas fica armazenado até se juntar uma quantidade suficiente para transportar para a reciclagem. Tudo é transformado em pasta de papel e daí em livros, envelopes, guardanapos, caixas. Por exemplo, com 30 caixas de cereais pode fazer-se uma caixa de cartão de dois quilos, que dá para transportar um frigorífico.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.