Ministro espera que "Iniciativa 5+5" possa reforçar combate à emigração ilegal

O ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, disse hoje que espera que 2012 seja um ano de "reforço" do plano de combate à emigração ilegal e de segurança marítima no âmbito da "Iniciativa 5+5".

"É uma iniciativa que devemos reforçar durante o ano de 2012", afirmou. O ministro português, que falava na capital da Mauritânia, Nouakchott, aos jornalistas, à margem de um encontro ministerial da "Iniciativa 5+5", sublinhou que este grupo de países devem desempenhar um papel "importante" para a segurança marítima e o combate à emigração ilegal na região do Mediterrâneo. "Durante o próximo ano será feito de novo o exercício 'Seaborder', entre Portugal, Espanha e Argélia", acrescentou Aguiar-Branco, a propósito desta organização.

A "Iniciativa 5+5" reúne Portugal, Espanha, França, Itália e Malta e, do lado africano, Mauritânia, Marrocos, Argélia, Líbia e Tunísia. Ausentes desta reunião em Nouakchott estão a ministra espanhola e o ministro maltês, que foram representandos pelos seus secretários de Estado. O ministro português chegou à capital mauritana no sábado, ao final tarde, tendo sido recebido pelo seu homólogo no aeroporto, Ahmedou Ould Mohamed Radhi.

O encontro dos países da "Iniciativa 5+5" teve início com um jantar ao ar livre nas instalações da messe de oficiais, num dispositivo de tendas e tapetes especialmente montado para receber as delegações convidadas. Todo o jantar, que se estendeu por quase três horas, foi acompanhado por um espetáculo de música beduína, tendo, no final, os convidados sido supreendidos pela dimensão - e invulgaridade - do último prato: um camelo assado inteiro. Em 2012, a presidência da "Iniciativa 5+5" caberá a Marrocos e em 2013 a Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG