Escolas deviam reforçar lanche, diz o Coordenador da Plataforma contra a Obesidade

O coordenador da Plataforma Contra a Obesidade, Pedro Graça, defendeu hoje que as escolas, além do pequeno-almoço, deviam reforçar o lanche porque muitas crianças têm "jantares de má qualidade".

O Governo anunciou na semana passado o lançamento de um projeto-piloto que prevê a atribuição de pequenos-almoços em 80 escolas do ensino básico.

"A par dessa medida devíamos também pensar na possibilidade de o lanche poder vir a ser reforçado, porque estou convencido que um dos grandes problemas de muitas destas crianças é terem, geralmente, jantares de má qualidade", disse Pedro Graça à agência Lusa, à margem da audição da Comissão de Saúde em que foi ouvido, a pedido do PSD, sobre o Programa Nacional para a Promoção de Alimentação Saudável.

O diretor do Programa para a Promoção de Alimentação Saudável defendeu ainda que devia ser explicado às famílias como as crianças podem fazer um pequeno-almoço saudável e barato em casa.

Na audição, Pedro Graça afirmou que, muitas vezes, as crianças tomarem o pequeno-almoço "é mais uma questão de organização familiar do que de falta de dinheiro".

Um copo de leite e um pão com queijo, manteiga ou fiambre custa cerca de 40 cêntimos, sublinhou.

O responsável avançou ainda que a Direção-Geral de Saúde enviou um inquérito para as escolas numa tentativa de avaliar a ingestão de água pelas crianças e saber se promovem o seu consumo, se tem bebedouros, entre outras medidas.

"O inquérito é para sabermos o que se passa nas escolas a este nível porque não sabemos", frisou.

Pedro Graça falou ainda do programa de distribuição de fruta nas escolas, adiantando que abrange cerca de metade das crianças do primeiro ciclo.

A adesão tem sido mais difícil por parte das autarquias mais pequenas, mas também em Lisboa e no Porto.

"Vamos tentar que as autarquias que ainda não aderiram passem a aderir e isso passa muito por simplificar os procedimentos que ainda são complexos", disse à Lusa.

Pedro Graça contou na Comissão de Saúde que há autarquias que tem nutricionistas a coordenar o programa fruta escolas, mas há outras em que é o vice-presidente ou o jurista que são responsáveis pelo projeto.

"Infelizmente não podemos pôr um nutricionista ou um dietista em todas as autarquias e passa muito pela formação e capacitação interna das autarquias", mas a tendência é para que as câmaras tenham pessoas capacitadas para se candidatarem aos projetos, adiantou.

O diretor do Programa Nacional para a Promoção de Alimentação Saudável avançou ainda que Portugal se candidatou, no dia 31 de maio, à realização do primeiro inquérito nacional "Portugueses Dietary Surveu (2012-2015)" para saber o que se come em Portugal.

"Desde 1980 que não temos nenhum estudo sobre o que se come em Portugal", observou, lembrando a importância destes dados para a tomada de decisões políticas em Portugal, que tem 1.003.327 adultos pré-obesos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG