Vítor Gaspar admite "lapso" sobre subsídios

O ministro das Finanças admitiu hoje ao fim de várias questões da oposição "um lapso" ao ter dito em entrevista à RTP que a suspensão dos subsídios de férias e natal terminaria com o programa, que acabaria em 2013.

"O senhor deputado Pedro Filipe Soares, quando cita a minha entrevista na RTP, não teve o escrúpulo de citar a frase completa. Durante a vigência do programa de ajustamento e esse programa de ajustamento termina em 2013, essa minha afirmação não altera o período de vigência do programa que está fixado desde o início do programa, isto é 2014. Trata-se naturalmente de um lapso, o que está aqui em causa é o período de vigência do programa como repetido no articulado, quer no relatório do Orçamento do Estado para 2012", disse.

O governante respondia ao deputado , já na sua intervenção final no debate da primeira alteração ao Orçamento do Estado para 2012, tendo admitido ai pela primeira vez que teria dito essas afirmações e que essas eram um lapso.

Nas restantes ocasiões, desde a sua primeira intervenção como após toda a oposição o ter confrontado com imagens televisivas com as suas palavras, o ministro repetiu por várias vezes que a sua posição e a posição do Governo sempre foi a mesma e que sempre disse que a suspensão terminaria com o período de vigência do programa, que termina em 2014.

Já depois de Vítor Gaspar ter admitido este "lapso", o deputado comunista Honório Novo confrontou novamente a bancada do Governo, para perguntar a Miguel Relvas, ministro dos Assuntos Parlamentares e à secretária de Estado do Tesouro, Maria Luís Albuquerque, se queriam também admitir lapsos, já que teriam feito as mesmas afirmações a dizer que a suspensão dos subsídios vigoraria apenas durante dois anos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG