Teixeira dos Santos diz que tentou mudar supervisão mas falhou

Teixeira dos Santos assumiu esta manhã na comissão ter "pena" de não ter conseguido "reformar o modelo de supervisão" no sistema financeiro.

Falando na comissão de inquérito ao caso BES, enquanto ex-ministro das Finanças, mas também assumindo a experiência de ex-presidente da CMVM, Teixeira dos Santos defendeu, por exemplo, um modelo único de supervisão, juntando a bancária e a financeira.

"Senti resistência e ceticismo e as próprias instituições vêm com algum receio mudanças na estrutura institucional da supervisão", disse, sem detalhar mais.

Questionado pelo PSD, Teixeira Santos disse que ficou "surpreendido" com o colapso do BES e do grupo económico onde o banco estava inserido, tendo em conta a imagem que tinha da instituição.

Teixeira dos Santos procurou, por outro lado, negar o peso da exposição do BES à dívida pública como razão de peso no colapso do banco. Porque, explicou, outros bancos tiveram igual exposição e não caíram. "O BES não teve exposto de forma diferenciada de outras instituições", afirmou.

O que terá mais peso, acrescentou, foi a crise económica e a sua influência no crescimento do crédito mal parado, que "pesou mais do que dívida pública".

Questionado pelo PS, o ex-ministro das Finanças recusou qualquer quota-parte de responsabilidade do BES em tudo o que levou à queda em 2011 do Governo do qual fazia parte, liderado por José Sócrates.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.