Taxas para abortos indignam mulheres socialistas

A deputada Teresa Caeiro (CDS-PP) anunciou hoje a intenção do seu partido apresentar um projeto para as mulheres pagarem taxa moderadora pela realização da Interrupção da Gravidez, a seu pedido, ideia criticada pelo Departamento Nacional de Mulheres Socialistas.

Teresa Caeiro disse à agência Lusa que a ideia é dar "equidade e justiça" no sistema de pagamento de taxas moderadoras entre este ato médico e outros.

"Este ato médico é sempre isento do pagamento de taxa moderadora, ao contrário do que acontece com o tratamento de outras doenças e a realização de outras cirurgias, como tirar um apêndice ou um tumor, uma hérnia discal ou uma intervenção ao coração", explicou.

Teresa Caeiro sublinhou que o projeto -- que deverá ser apresentado ainda antes do final da sessão legislativa -- "não pretende prejudicar o acesso à Interrupção da Gravidez (IG)".

Para o Departamento Nacional de Mulheres Socialistas, esta posição do CDS-PP, "numa atitude populista, procura, aproveitando a situação difícil que os portugueses atravessam, utilizar o tema das taxas moderadoras para abrir novamente o debate sobre o aborto".

"É inaceitável esta posição do partido da coligação governamental, quando existe por parte do Governo um ataque ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), dificultando o acesso dos utentes, aumentando as taxas moderadoras e dificultando o transporte aos doentes", lê-se num comunicado deste grupo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG