Submarinos: Carta que o Ministério Público diz estar desaparecida afinal não foi enviada

Documento do caso dos submarinos que Ministério Público e eurodeputada dizem ter desaparecido nunca chegou. Procuradores interpretaram mal uma resposta do Ministério dos Negócios Estrangeiros

Afinal, o que aconteceu a uma Carta Rogatória enviada pelo Ministério Público português para as autoridades das Bahamas, no âmbito do processo dos submarinos? Desapareceu, tal como referiram os procuradores que arquivaram o caso e a eurodeputada Ana Gomes, que pretende reabri-lo? Ou, simplesmente, a resposta nunca chegou e aqueles dois intervenientes não leram corretamente a informação?

De acordo com uma informação adiantada, esta tarde ao DN, pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, depois de o MP ter enviado a Carta, esta foi remetida à embaixada portuguesa em Washinghton. Esta, a 24 de junho de 2013, respondeu "a confirmar que a carta rogatória das autoridades portuguesas foi entregue às autoridades competentes das Bahamas". Nesse mesmo dia, o MNE informou a Procuradoria que o pedido de informações "foi entregue às autoridades", referindo-se à autoridade judicial das Bahamas.

Porém, os procuradores que arquivaram o caso leram nesta resposta que as Bahamas tinham respondido ao pedido de informação sobre o dinheiro que chegou a um fundo sedeado naquelas ilhas. Diz o despacho de arquivamento que o MNE remeteu à Procuradoria uma informação, afirmando que tais elementos foram "de acordo com a notícia das autoridades das Bahamas enviados às autoridades portuguesas". Porém, como não se encontravam em lado algum no processo, chegou a conclusão dos magistrados do MP: "Tais elementos não foram localizados".

Foi precisamente esta descrição que levou a eurodeputada socialista Ana Gomes a afirmar no requerimento de abertura de instrução que os elementos chegaram a Portugal, mas terão desaparecido do MNE, numa altura em quem Paulo Portas era ministro dos Negócios Estrangeiros. "Ora, consultados os autos, não se vislumbra qualquer ação no sentido de averiguar o porquê do desaparecimento deste elemento essencial de prova, nem de ato de insistência com o MNE ou com as autoridades das Bahamas pelo envio de segunda via das informações fornecidas mas, eventualmente, extraviadas", escreveu a eurodeputada, assistente no processo.

Esta quinta-feira, Paulo Portas, vice-primeiro ministro, reagindo ao pedido de reabertura do processo feito por Ana Gomes, disse que a eurodeputada "voltou às suas obsessões" com as quais, afirmou, nada tem a ver. "Há uma única coisa que é importante que as pessoas saibam, ao contrário do que ela disse, enquanto fui ministro dos Negócios Estrangeiros as cartas rogatórias transmitidas ao ministério foram transmitidas às autoridades judiciais portuguesas no dia 24 de junho de 2013, era eu ministro dos Negócios Estrangeiros, essa senhora é compulsivamente mentirosa", afirmou.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...