Sócrates reage e nega ter pedido 500 mil contos

"É absolutamente falsa esta alegada afirmação do arguido Manuel Pedro. É importante recordar que os arguidos neste processo estão a ser julgados por tentativa de extorsão, justamente por terem invocado falsamente pagamentos a responsáveis do Ministério do Ambiente para aprovação do projeto", disse esta terça-feira em comunicado o advogado de José Sócrates.

No documento divulgado por Daniel Proença de Carvalho, o antigo primeiro-ministro nega ter exigido os "500 mil contos", ao contrário do que foi alegado por Augusto Ferreira do Amaral no tribunal do Barreiro, durante o julgamento desta terça-feira de manhã.

De acordo com o advogado e antigo ministro do governo AD, Manuel Pedro, arguido neste processo e de quem é amigo há mais de 30 anos, deu-lhe conhecimento dessa exigência numa conversa em que estava "escandalizado" com o destinatário do pagamento das "luvas".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG