Sócrates apoia António Costa na corrida à liderança

O ex-primeiro-ministro disse à TSF que o presidente da câmara de Lisboa tem "experiência" e "maturidade política" para ser o líder do PS, defendendo que os portugueses estão à procura de alguém "em quem votar com confiança" nas próximas eleições.

José Sócrates é o convidado do programa Bloco Central na TSF, que passa a partir do meio-dia. Segundo as informações no site da rádio, o ex-primeiro-ministro socialista afirma que, a haver eleições diretas seguidas de congresso, "como militante de base, escolherei António Costa". E lembra que desde que abandonou a liderança do PS, em junho de 2001, sempre defendeu que Costa era a pessoa certa para liderar o partido, destacando a sua "experiência" e "maturidade política".

Assumindo a defesa de Costa, Sócrates considera que «todas as candidatura, dentro do PS, são candidaturas para servir o partido e o país», e que quem se disponibiliza para disputar uma liderança, porque entende que faz melhor do que o líder, nunca deve ser acusado de ambição ou vaidade. O antigo secretário-geral socialista afirma mesmo que a decisão de Costa foi um ato de coragem «absolutamente legítimo», e que as acusações que lhe têm sido dirigidas, «seriam uma vergonha em qualquer partido».

Sócrates defendeu que a questão da liderança partidária "está colocada em cima da mesa" e deve ser resolvida e clarificada com a marcação de um congresso extraordinário. Na noite das europeias, o ex-primeiro-ministro tinha expressado outra posição, dizendo que não lhe parecia que a liderança de Seguro estivesse em causa. "Não me parece. Como é que se discute um líder que ganha? Não faz parte do que é normal em política."

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.