Socialistas e CDS aliados para 'proteger' maçonaria

Foi devido às pressões conjuntas do PS e do CDS que, no Parlamento, foram retiradas do projeto de relatório final sobre as "secretas" as referências à influência maçónica nos serviços.

Os dois partidos argumentaram que reuniões realizadas à porta fechada não poderiam implicar um relatório substantivo, que violaria o pacto de confidencialidade estabelecido com as personalidades ouvidas.

No projeto de relatório final, a deputada Teresa Leal Coelho, do PSD, retirou as referências à maçonaria para tentar obter um texto consensual. Mas o impasse manteve-se à mesma, com o PS e o CDS a insistirem nos seus argumentos e o PCP e o BE a não quererem ficar ao lado do PSD por acharem que o documento deveria ser mais crítico do que se propunha em relação, por exemplo, à conduta do secretário-geral do SIRP, Júlio Pereira, nos inquéritos internos que desencadeou sobre os casos que envolveram o SIED. Existiram apenas cinco documentos partidários - e o PSD manteve no seu a questão da maçonaria.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG