Soares solidário com luta dos trabalhadores dos estaleiros

O ex-Presidente da República, Mário Soares, associou-se hoje à iniciativa "A construção naval não pode morrer", em defesa dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), assumindo a sua "solidariedade" com os trabalhadores da empresa.

"É sempre possível fazer coisas bem feitas", afirmou Mário Soares, questionado pelos jornalistas, à chegada a Viana do Castelo, sobre a possibilidade de ainda travar o encerramento, anunciado, dos ENVC.

"Estes homens [trabalhadores] estão no seu direito de lutar e devem continuar a lutar. É por isso que eu cá estou, solidário com eles", disse ainda o histórico líder socialista.

A iniciativa "A construção naval não pode morrer" decorre hoje em Viana do Castelo, promovida pela Câmara Municipal local, e surge na sequência do anunciado encerramento dos estaleiros e do consequente despedimento dos atuais 609 trabalhadores, decidido pelo ministério da Defesa Nacional, que lançou em paralelo um concurso para a subconcessão dos terrenos e infraestruturas da empresa.

"É uma causa merecida e necessária para o bem do nosso país, que é Portugal", apontou Mário Soares, insistindo que a sua presença em Viana do Castelo é "em solidariedade" com os trabalhadores.

Políticos, músicos, desportistas e antigos trabalhadores dos Estaleiros são esperados na cidade, esta tarde, para aquilo que a autarquia classifica como um "grito nacional" em defesa da empresa.

"Vamos fazer de Viana do Castelo o centro do país na defesa de uma empresa que representa a nossa identidade. Vamos lançar um grito nacional, a partir da Praça da República, para que o processo de subconcessão dos estaleiros navais seja suspenso e não se perca o conhecimento que existe", explicou o autarca local, José Maria Costa.

A Câmara de Viana do Castelo aprovou na quinta-feira - com os votos favoráveis do PS, PSD e CDU - uma moção de "repúdio" ao encerramento dos estaleiros, solicitando ainda uma reunião urgente com o primeiro-ministro e a suspensão deste processo.

A subconcessão dos terrenos e infraestruturas dos ENVC à Martifer prolonga-se até 2031 e envolve o pagamento de uma renda anual de 415 mil euros, conforme concurso público internacional que terminou em setembro.

Em paralelo, prevê o encerramento dos ENVC e o despedimento dos mais de 600 trabalhadores. Destes, cerca de 400 deverão ser recrutados pela West Sea, a nova empresa a criar pela Martifer para o efeito.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG