Sindicato "não irá aderir formalmente" à greve geral

O Sindicato dos Funcionários Parlamentares (SFP) anunciou esta quarta-feira que "não irá aderir formalmente à greve geral" de amanhã, embora considere "inteiramente justos" os seus fundamentos.

A razão apresentada pelo SFP para não aderir à greve geral, num comunicado enviado hoje aos funcionários do Parlamento, decorre de ser "um sindicato próprio, autónomo e independente", onde "a sua principal missão é a defesa intransigente da especificidade das suas carreiras, funções e condições de trabalho".

"Atendendo às especiais obrigações e deveres que impendem sobre os funcionários parlamentares, a adesão à greve deve ser um recurso último quando estejam em causa alterações significativas às suas condições de trabalho ou quando esteja em causa a independência e a soberania da Assembleia da República", assumiu o SFP.

Contudo, adiantou o sindicato, "os funcionários parlamentares encontram-se abrangidos pelo pré-aviso entregue pelas centrais sindicais, pelo que decidirão individualmente e em consciência, se pretendem aderir à referida greve".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG