Seguro exorta Governo a devolver dinheiro das portagens

O secretário-geral do PS escusou-se hoje a comentar a demissão da administração da Estradas de Portugal, exortando antes o Governo a fazer com que o dinheiro pago pelos portugueses em agosto na ponte 25 de Abril "regresse para o erário público".

"Há quem se preocupe com as administrações e há quem se preocupe com os portugueses. Eu preocupo-me com os portugueses. O dinheiro que os portugueses pagaram nas portagens da ponte 25 de Abril no mês de agosto pertencem ao erário público. A responsabilidade do Governo é zelar bem pelo dinheiro público. O que tem que fazer é fazer com que esse dinheiro, que é público, entre nos cofres do Estado", afirmou no final da conferência sobre "Gestão Urbana Municipal", a primeira de um ciclo designado "Fórum Santarém" organizado pela concelhia do PS Santarém, e pela Federação Distrital do Partido Socialista.

Para o líder socialista, o Governo, que justificou a cobrança de portagens em agosto com a necessidade que o país tinha de dinheiro, tem que fazer "esse acerto com a empresa concessionária" e não deve "arranjar desculpas".

A questão do pagamento da compensação à Lusoponte, quando a concessionária já tinha arrecadado o dinheiro das portagens de agosto, foi um dos temas do discurso que António José Seguro dirigiu aos militantes socialistas do distrito de Santarém.

Seguro contrapôs a atuação do Governo neste caso à exigência que fez a 117 mil portugueses, que receberam comparticipações sociais por erro do Estado, para que devolvessem essas verbas no espaço de um mês.

"São dois exemplos muito claros de como o Governo trata os mais fortes, dizendo-lhes que podem ficar com o dinheiro, e os mais fracos, exigindo que no espaço de um mês tenham que devolver todo o dinheiro quando o erro foi do Governo", afirmou.

Para Seguro, este é mais um exemplo da "insensibilidade social" deste Governo, "para além de outras coisas" que preferiu "não enunciar".

Falando num encontro que teve por tema central a questão da reforma administrativa que vai obrigar à extinção de freguesias, António José Seguro voltou a justificar o voto socialista no Parlamento contra a proposta do Governo por esta ser feita "a regra e esquadro" e sem a participação das pessoas.

Seguro reafirmou que o PS esteve, "desde o início", disponível para trabalhar "com outras forças políticas" numa "reforma global", que passasse pela alteração da lei eleitoral autárquica, pelas competências, pela Lei das Finanças Locais e pela reorganização territorial, "de uma forma articulada e com coerência".

Antes da chegada do secretário-geral, o presidente da Câmara Municipal de Torres Novas, o autarca socialista António Rodrigues, criticou o partido por ter votado contra a proposta do Governo sem ter apresentado uma proposta alternativa como entende que seria sua obrigação.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.