Seguro exige intervenção imediata de Cavaco

O secretário-geral do PS afirmou hoje que é altura de dizer "chega" e "basta" à atuação do Governo, reclamando que o Presidente da República convoque um Conselho de Estado e ouça os partidos parlamentares.

António José Seguro assumiu esta posição depois de o Tribunal Constitucional ter considerado contrários à lei fundamental os artigos do Orçamento do Estado para 2014 que alargam os cortes salariais dos trabalhadores do setor público, os cortes nos subsídios de desemprego e de doença, e o recalculo das pensões de sobrevivência.

O líder socialista começou por referir que o PS, desde o ano passado, defende a realização de eleições legislativas antecipadas - e que o "dado novo" introduzido agora pela decisão do Tribunal Constitucional "reforçou a posição" do seu partido.

"Considero que o Presidente da República deve rapidamente ouvir o Conselho de Estado, ou os partidos com representação parlamentar", ou ainda tomar ambas as iniciativas, sustentou António José Seguro.

Na conferência de imprensa, o secretário-geral do PS elevou depois o tom da sua voz para dizer que "chega desta incerteza que provoca dificuldades aos reformados, aos pensionistas, aos desempregados e à generalidade dos portugueses".

"Como é que um empresário pode olhar com confiança e investir no país? Isto é evidente e chegou à altura de dizer basta. Temos de deixar de ter paninhos quentes, de ter diálogos institucionais", advertiu António José Seguro.

O líder do PS apontou que, no Estado de Direito, há respostas institucionais, mas também há "procedimentos que decorrem da iniciativa política".

"Neste momento é preciso uma iniciativa política e no nosso sistema constitucional compete ao mais alto magistrado da Nação desenvolver essa iniciativa política. Por isso, aguardamos por uma palavra do Presidente da República", salientou, já depois de ter advertido que Cavaco Silva "não se pode refugiar em comunicados" formais.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.