Seguro diz que Passos não aprende com os erros

O secretário-geral do PS lamentou hoje que, se for verdade que o Governo já enviou para Bruxelas as medidas alternativas orçamentais, tal significa desrespeito pela concertação e que o primeiro-ministro não aprende com os erros.

António José Seguro falava aos jornalistas, durante uma visita a Alverca, depois de confrontado com as declarações do presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, em que adiantou que a Comissão Europeia já aprovou as medidas alternativas que o Governo apresentou para compensar o recuo nas mudanças na Taxa Social Única (TSU).

"Nós, Comissão, já demos a nossa aprovação a medidas alternativas que foram apresentadas pelo Governo", disse Durão Barroso na atribuição do Prémio de Inovação Europa Social em memória de Diogo Vasconcelos, ao ser questionado pelos jornalistas a propósito do recuo do Governo face à TSU e à análise da Moody's, que considera que o abandono das alterações à TSU pode ser negativo para a imagem externa de Portugal.

Interrogado pelos jornalistas sobre o facto de a Comissão Europeia já ter aprovado as medidas do Governo português para substituir as mudanças na TSU, o secretário-geral do PS mostrou-se surpreendido, lamentou e criticou os métodos políticos seguidos pelo executivo liderado por Pedro Passos Coelho.

"Não conheço nenhuma medida que tenha sido apresentada em Bruxelas, nem o país a conhece", disse, referindo que desde 07 de setembro, quando as mudanças na TSU foram anunciadas, nunca mais voltou a falar com o primeiro-ministro sobre esse assunto.

Questionado se o Governo enviou as propostas de substituição da TSU para Bruxelas, sem antes consultar o PS, António José Seguro deixou o seguinte comentário aos jornalistas: "Estão a dar-me uma notícia".

"Já houve alguma proposta que foi enviada para Bruxelas? Enfim, se é verdade estão a dar-me uma notícia. Lamento. Desconheço essa proposta, mas quanto à postura e ao procedimento, significa que o primeiro-ministro não aprende com os erros que comete", afirmou.

Para o secretário-geral do PS, caso se confirme que as propostas já foram enviadas pelo Governo para Bruxelas, sem informação prévia a nível nacional, "tal significa que se trata de um primeiro-ministro distante dos portugueses e que vive longe da realidade".

"Numa altura em que é preciso envolver os portugueses e a confirmar-se essa decisão, o primeiro-ministro enviou para Bruxelas sem qualquer tipo de concertação", insistiu.

Nas declarações que fez aos jornalistas, o líder socialista voltou a defender a tese de que, no plano orçamental, não se está perante verdadeiras propostas alternativas para substituir as mudanças ao nível da TSU.

"Não há medidas alternativas à TSU, porque o impacto da TSU no Orçamento do Estado para 2013 é mínimo. Aconteceu foi que o Governo foi forçado a fazer marcha atrás relativamente à sua proposta, que era imoral e indigna", sustentou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG