Seguro diz que decisão da CNE não alterou temas

A campanha eleitoral socialista para as eleições autárquicas tem-se centrado nos temas nacionais. António José Seguro diz que não tem nada a ver com a decisão da Comissão Nacional de Eleições (CNE) em exigir igualdade de tratamento na cobertura das candidaturas e que a agenda do PS foi definida muito antes.

Os cortes retroativos das pensões e reformas anunciados pelo Governo tem sido o campo da batalha dos socialistas, a que juntam a luta contra o que consideram ser "um ataque à escola pública e ao Serviço Nacional de Saúde". Em contrapartida, os socialistas prometem uma política que promova o crescimento económico e a criação de emprego.

Estes são os temas nacionais que acabam por ser destacados pelos meios de comunicação ao acompanharem os líderes nacionais, com a justificação de que não têm meios para divulgar todas as candidaturas.

António José Seguro não comenta se a decisão da CNE o irá beneficiar.

"O nosso programa estava definido antes da decisão da CNE e com base nos problemas dos portugueses. E, eu ao longo destes dois anos à frente do PS, já dei várias voltas ao País. Esta só tem mais visibilidade porque é numas eleições. A proximidade é muito importante, para mim porque aprendo com os portugueses, e para os portugueses que percebem que há alguém que está próximo deles", disse Seguro ao DN.

Acrescenta que ao longo da campanha foram muitos os idosos, os desempregados e as famílias de quem emigrou, enfim, todo um conjunto de situações que considera dramáticas. A que mais o emocionou foi a de um homem de 45 anos, de Seia, e que cita: "Não deixe que nos enterrem vivos!" Frase que tem repetido ao longo da campanha.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG