Ribau Esteves aguarda pela marcação de diretas para decidir se é candidato à liderança do PSD

Ribau Esteves considera que "este é um momento complexo que exige profundidade na reflexão do que seja um caminho novo do PSD".

O autarca Ribau Esteves, que já admitiu estar a ponderar uma candidatura à liderança do PSD, afirmou este sábado que aguarda a marcação do calendário eleitoral interno para "fixar o momento" da sua decisão.

À entrada para o Conselho Nacional do PSD, que hoje está reunido em Barcelos (Braga), o presidente da Câmara de Aveiro disse esperar que o partido "saia mais fortalecido" da reunião

Questionado quanto mais tempo precisa para a reflexão que está a fazer, Ribau Esteves apontou que, em primeiro lugar, é necessário conhecer a data das diretas e do Congresso.

"Não sei se será hoje que o teremos fixado, já o temos referenciado pela proposta do presidente Rui Rio - que eu pessoalmente subscrevo -, falta esse dado importante para que também eu possa fixar no meu calendário o momento da minha decisão", disse.

Ribau Esteves disse que irá apresentar aos conselheiros "uma proposta objetiva para que o PSD mude de vida, inicie um novo caminho e lidere objetivamente a oposição" ao Governo PS, deixando um conselho ao partido.

"Há uma coisa que não temos praticado muito no PSD, que é objetivamente ouvirmo-nos uns aos outros e refletirmos sobre o que ouvimos", afirmou.

Para o autarca de Aveiro, "este não é um momento simples que possa ser banalizado pela escolha simples do próximo líder".

"Este é um momento complexo que exige profundidade na reflexão do que seja um caminho novo do PSD", afirmou.

O Conselho Nacional do PSD está reunido para fazer a análise dos resultados das legislativas e debater o modo e o tempo da saída de Rui Rio da liderança do partido.

Na ordem de trabalhos da reunião, marcada para as 16:00, está a aprovação das contas do partido e, num segundo ponto, a "análise dos resultados das eleições legislativas e da situação política e decisão sobre processo eleitoral para os órgãos nacionais do partido".

No início de fevereiro, alguns dias depois da derrota eleitoral do PSD, Rui Rio confirmou que irá deixar a presidência do partido - cargo que ocupa desde janeiro de 2018 - e remeteu para o Conselho Nacional a tarefa de definir o 'timing', embora manifestando disponibilidade para se manter até ao início de julho.

A Comissão Política Nacional (CPN) não irá levar qualquer proposta de calendário de diretas e Congresso a Barcelos e defendeu que nem sequer poderá ser votada no sábado qualquer data, uma vez que tal não está incluído na ordem de trabalhos.

No entanto, vai ser apresentado na reunião uma proposta de deliberação assinada por 17 das 19 distritais do PSD (ficam de fora Aveiro e Évora) que pretende que, num prazo máximo de dez dias, se realize uma nova reunião deste órgão e sejam marcadas eleições diretas e Congresso.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG