Relvas desafia PS a tomar posição sobre a ADSE

O ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, considerou hoje "positiva" a proposta de extinção da ADSE mas desafiou o PS a clarificar a sua posição e o que pretende fazer com os 400 mil beneficiários do subsistema de saúde.

"É uma proposta que me parecia particularmente positiva, mas estamos à espera que o PS diga qual é que é a posição que vale, se a do porta-voz para o setor, e membro da direção, se a do líder parlamentar", afirmou hoje o ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas comentando a hipótese de a ADSE (sistema de proteção dos trabalhadores da administração pública) ser extinta caso os socialistas regressem ao Governo.

A posição foi defendida por Álvaro Beleza, membro do Secretariado Nacional do PS, que afirmou que, caso os socialistas regressem ao Governo, a ADSE deverá ser extinta, considerando que este subsistema de saúde é gerador de injustiças na sociedade portuguesa.

Carlos Zorrinho, líder parlamentar dos socialistas, negou, no entanto, que a extinção da ADSE se encontre nos planos do partido.

Miguel Relvas não descartou a possibilidade de o Governo avançar com a extinção do subsistema de saúde, mas sublinhou que é "uma matéria que deve ser tratada com muito cuidado e muito equilíbrio porque estamos a tratar de direitos que tocam a muitos portugueses".

Os 400 mil beneficiários da ADSE serão, segundo o ministro, "a principal preocupação do Governo" se avançar para a reforma em relação para a qual desafia o PS a apresentar "uma proposta" especificando, quando e como pretende acabar com o subsistema e qual a alternativa que propõe para os beneficiários.

Miguel Relvas falava em Santarém, onde hoje presidiu à assinatura de um protocolo visando aumentar o recurso ao programa "Impulso Jovem".