"Recuar não é sinónimo de fraqueza"

O socialista António Vitorino comentou hoje as medidas de austeridade anunciadas pelo Governo, que geraram uma onda de contestação social, sublinhando que "recuar não é um sintoma de fraqueza" e que "pode ser uma medida de sensatez".

À margem da conferência "Presente no futuro", que decorre no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, na qual participará como orador num painel sobre imigração, António Vitorino referiu as "dúvidas sobre a eficácia das medidas" que têm sido anunciadas pelo Executivo PSD/CDS-PP.

Em concreto, o ex-ministro da Defesa e ex-comissário europeu considerou que a "solução encontrada" para a Taxa Social Única foi a medida "mais desastrada".

Medida que, apontou, não garante "a defesa da justiça e a equidade social" e, simultaneamente, "tem pouco efeito em relação ao objetivo pretendido" de competitividade.

Sobre os protestos marcados para esta tarde em vários pontos do território nacional - assim como em Fortaleza (Brasil), Berlim, Barcelona, Bruxelas, Paris e Londres - contra "a situação angustiante e preocupante" do país, o ex-governante socialista disse esperar que decorram "de forma pacífica" e assentes na "força das ideias".

Reconhecendo que já há "uma fadiga de austeridade", António Vitorino disse também que antecipa "alguns anos difíceis".

O que é preciso é "equilibrar os sacrifícios", estabelecendo prioridades, que devem ser, por esta ordem, desemprego, coesão social e competitividade, enumerou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG